PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Travessia do Mediterrâneo matou 400 refugiados em outubro

03/11/2015 11h20

Genebra, 3 nov (EFE).- Cerca de 400 refugiados e imigrantes perderam a vida na tentativa de atravessar o Mar Mediterrâneo em outubro, e apenas nos três primeiros dias de novembro 18 morreram durante a travessia, segundo os últimos dados disponíveis da Organização Internacional de Migrações (OIM).

Este novo dado eleva o número de pessoas que morreram tentando chegar à Europa por mar em 2015 a 3.406. As mortes no Mediterrâneo representam mais de 72% do total de migrantes mortos no mundo neste ano.

O número foi divulgado nesta terça-feira, um dia depois que a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) alertou que no mês de outubro o número de refugiados e imigrantes que cruzaram o Mediterrâneo superou o total acumulado até setembro.

Das 218 mil pessoas que realizaram a travessia marítima para chegar a Grécia, Itália e Espanha em outubro, cerca de 28 mil migraram no último fim de semana, apesar da contínua piora do tempo e, por consequência, o aumento dos riscos.

Na semana passada, a guarda costeira grega registraram sete naufrágios de embarcações precárias, dos quais foram recuperados 106 corpos sem vida, já que o restante dos ocupantes seguem em paradeiro desconhecido.

Esse fluxo crescente eleva o número total de pessoas que chegaram ao continente europeu pelo Mar Mediterrâneo para 760.979, segundo os últimos dados disponíveis.

O porta-voz da OIM, Joel Millman, afirmou que a organização espera que o mau tempo freie o trânsito por essa via marítima.

Questionado sobre a possibilidade de os fluxos não reduzirem e o número de refugiados que chegaram à Europa alcançar um milhão neste ano, Millman alertou que não é possível fazer prognósticos, mas alertou que devido à piora das condições climáticas, o risco de um aumento das mortes seria exponencial.

Internacional