EI recrutou 1.800 menores de idade na Síria em 2015; 350 morreram

Em Beirute

  • Reprodução

O grupo terrorista EI (Estado Islâmico) recrutou cerca de 1.800 menores de idade na Síria ao longo do ano passado, dos quais 350 morreram, informou nesta sexta-feira (15) o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Segundo o Observatório, dos 350 mortos, ao menos 48 promoveram atentados suicidas com coletes de explosivos ou usando carros-bomba. Os jihadistas recrutam os menores através de escritórios especiais abertos nos territórios controlados no país.

Depois de registradas, as crianças e adolescentes são submetidos a treinamento e enviados ao campo de batalha. De acordo com a ONG, o último grupo de "filhotes do califado", como os terroristas chamam os menores recrutados, entrou em combate neste mês.

Esse novo batalhão seria composto por 175 menores, segundo o Observatório. Alguns teriam sido enviados à frente de batalha no norte da província de Al Raqqa, no nordeste da Síria, onde os radicais enfrentam as FSA (Forças da Síria Democrática), uma coalizão armada curdo-árabe que recebe o apoio dos Estados Unidos.

Outros foram levados à província de Aleppo, no noroeste do país, onde o EI luta contra a FSA perto do rio Eufrates. Além disso, os radicais ainda enfrentam forças do regime sírio e outras organizações rebeldes no norte dessa região.

O grupo extremista também enviou menores de idade às zonas dominadas no Iraque. O Observatório explicou que, desse último grupo promovido a "filhotes do califado", pelo menos três morreram no Iraque, já que o EI comunicou a suas famílias que eles perderam a vida combatendo "os ateus e apóstatas".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos