ONU eleva a 15 os civis mortos em bombardeio por drone dos EUA no Afeganistão

Cabul, 29 set (EFE).- A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (Unama) afirmou nesta quinta-feira que foram pelo menos 15 os civis mortos, e não somente quatro, no ataque de um drone americano contra o Estado Islâmico (EI) no Afeganistão e reivindicou uma investigação do incidente.

A Unama condenou em comunicado "a morte de pelo menos 15 homens civis e pelo menos outros 13 feridos, incluído uma criança, no bombardeio", ocorrido ontem.

"Na manhã de 28 de setembro, um avião não-tripulado das forças internacionais realizou um bombardeio, supostamente contra membros do EI, que atingiu a casa de um civil matando pelo menos 15 deles", indicou.

As pessoas que morreram estavam reunidas em uma aldeia para comemorar o retorno de um dos membros mais velhos do grupo de uma peregrinação a Meca e estavam dormindo quando o ataque aconteceu. A Unama ressaltou que as forças americanas no Afeganistão confirmaram o ataque, mas não deram detalhes, ao afirmar que ainda estavam recebendo informações.

A missão da ONU reivindicou ao governo afegão e às forças internacionais "uma rápida, independente, imparcial, transparente e efetiva investigação do incidente".

As autoridades da província de Nangarhar, onde aconteceu o bombardeio, elevaram hoje a 22 o número de mortos e disseram que as primeiras investigações indicam que 18 deles eram membros do Estado Islâmico (EI) e quatro eram civis.

"A quantidade de civis mortos ainda não é definitiva, já que nossa investigação está em andamento", indicou à Agência Efe o porta-voz do governador de Nangarhar, Attaullah Khogyanai.

O gabinete do governador disse em comunicado que o idoso, que também era líder tribal, está em estado crítico e é suspeito de ajudar o grupo jihadista EI.

Segundo a Unama, o conflito armado no Afeganistão matou no primeiro semestre de 2016 mais de 5.000 civis, um recorde desde que Nações Unidas começaram a contabilizar os mortos e feridos entre a população civil. A província de Nangarhar é o principal reduto do EI no Afeganistão, embora sua presença tenha diminuindo pela ação de tropas afegãs e internacionais.

Os Estados Unidos têm 9.800 militares no Afeganistão como parte de suas missões antiterroristas e de treinamento no país, dos que 8.400 ficarão mesmo depois do fim do mandato do presidente Barack Obama, que termina em janeiro do ano que vem.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos