Centenas de menores sofreram abusos em centros religiosos norte-irlandeses

Dublin, 20 jan (EFE).- Centenas de menores sofreram abusos físicos e psicológicos em centros administrados pela Igreja Católica e por organismos estatais na Irlanda do Norte durante o século passado, revelou nesta sexta-feira um relatório oficial.

A chamada investigação sobre Abusos Institucionais Históricos (HIA) examinou durante os últimos três anos 493 testemunhos para confirmar que existiram abusos físicos, sexuais ou emocionais de menores entre 1922 e 1995 em 22 instituições da nação que faz parte do Reino Unido.

Durante a apresentação de suas conclusões em Belfast, o responsável pelas pesquisas, o juiz aposentado Anthony Hart, afirmou que os abusos foram "sistemáticos" e "variados" em muitos desses centros.

O documento, de 2.300 páginas, detalha, por exemplo, as denúncias apresentadas por 189 ex-residentes de quatro instituições administradas pela Ordem das Irmãs de Nazaré, onde algumas freiras cometeram "abusos físicos e emocionais" e "atos humilhantes e degradantes".

Em outro centro administrado pela Ordem de la Salle em Belfast, os menores sofriam "castigos físicos excessivos" e eram vítimas de "agressões físicas", destacou o investigador.

Algumas crianças, disse, eram, frequentemente, humilhadas e obrigadas a tirar suas roupas e permanecer durante longos períodos nuas.

Na escola de formação profissional Rathgael de Bangor, nos arredores de Belfast, Hart constatou que as meninas internas sofriam "castigos corporais" e algumas foram vítimas de abusos sexuais cometidos por funcionários do centro.

Em relação aos centros administrados pelas Irmãs do Bom Pastor na capital norte-irlandesa, Londonderry e Newry, o ex-juiz afirmou que foram cometidas "práticas inaceitáveis" com as meninas, às quais se obrigava, por exemplo, a trabalhar em lavanderias.

O governo norte-irlandês, de poder compartilhado entre protestantes e católicos, anunciou em 2012 o estabelecimento desta investigação depois que outras feitas na vizinha República da Irlanda revelaram nos últimos anos que milhares de crianças sofreram abusos sexuais, físicos e emocionais desde o começo do século XX.

Os tribunais estabelecidos pelo Executivo de Dublin também denunciaram as práticas adotadas pelas autoridades do país e pela Igreja Católica irlandesa para esconder os maus-tratos e proteger os religiosos pedófilos.

Neste sentido, Hart denunciou hoje os erros cometidos na hora de proteger os menores pela Diocese de Down e Conor (na Irlanda do Norte), pelo Ministério do Interior e pelas autoridades locais e regionais, entre outros.

O investigador louvou a "coragem e valor" demonstrado pelas vítimas para reviver o horror de suas experiências e, entre suas recomendações, insistiu que devem receber uma compensação por parte das autoridades.

Em relação às medidas que poderia tomar o Executivo norte-irlandês perante as conclusões do relatório, as vítimas terão que esperar para que se resolva a crise de governo criada pela renúncia há duas semanas do vice-primeiro-ministro, o nacionalista Martin McGuinness.

Sua saída provocou a queda do Executivo de poder compartilhado e Londres convocou eleições regionais antecipadas para o dia 2 de março.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos