Coreia do Norte acusa Seul e Washington de proporcionar veneno que matou Kim

Em Seul

  • Daniel Chan/AP Photo

    Vietnamita Doan Thi Huong, uma das suspeitas pela morte de Kim Jong-nam, é escoltada na chegada à corte de Sepang, nesta quarta-feira (1º)

    Vietnamita Doan Thi Huong, uma das suspeitas pela morte de Kim Jong-nam, é escoltada na chegada à corte de Sepang, nesta quarta-feira (1º)

O regime da Coreia do Norte acusou nesta quarta-feira (1º) a Coreia do Sul de proporcionar o agente químico que matou Kim Jong-nam, irmão mais velho do líder norte-coreano, na Malásia e insinuou que a substância tóxica teria sido introduzida no país vizinho vinda dos Estados Unidos.

"Em vista que as mulheres detidas como suspeitas do assassinato visitaram a Coreia do Sul várias vezes no passado, é muito possível que as autoridades sul-coreanas tivessem dado a substância a elas. Isto não é fortuito", argumentou o regime em comunicado divulgado pela agência estatal de notícias "KCNA".

A Coreia do Norte disse que "apenas os EUA e alguns outros países ainda possuem o agente nervoso VX encontrado no corpo de Kim, e acrescentou "que é problemático o fato de os Estados Unidos estarem introduzindo todo tipo de armas químicas na Coreia do Sul".

Kim Jong-nam, irmão mais velho do líder do regime Kim Jong-un, morreu em 13 de fevereiro após ser supostamente envenenado por duas mulheres no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia, onde pegaria um voo de volta a Macau, na China, local de seu exílio voluntário.

O relatório preliminar da morte realizado pelas autoridades malaias determinou que o agente nervoso VX causou a morte de Kim Jong-nam.

Câmera de segurança mostra o ataque a Kim Jong-nam no aeroporto

  •  

Pyongyang, que defende que "a causa da morte ainda não foi claramente identificada", acusou novamente hoje a Coreia do Sul de difundir o rumor de que Kim Chol - nome que aparecia no passaporte diplomático do falecido e com o qual "KCNA" se refere ao homem - foi envenenado por agentes norte-coreanos para provocar rejeição ao país e um conflito com a Malásia.

"Os EUA e as autoridades sul-coreanas estão culpando à RPDC (Coreia do Norte) sem fundamento", acusações com contornos políticos com o objetivo de prejudicar sua imagem "e derrubar seu sistema social", afirmou hoje a "KCNA".

O meio norte-coreano afirmou também que "o perigo e a gravidade do problema" está em que a acusação do uso de armas químicas oferece paralelismos com a de "posse de armas de destruição em massa do Iraque divulgada pelos EUA nos anos 1990".

O objetivo final dos Estados Unidos é "despertar o repúdio internacional em relação à RPDC e provocar uma guerra nuclear a qualquer preço", acusou o regime comunista no texto.

A Coreia do Norte advertiu que adotará as medidas de defesa necessárias e aconselhou os EUA "e suas forças vassalas" a não "correrem desenfreados", tendo em vista a posição estratégica do Norte como potência nuclear.

As autoridades da Malásia indiciaram uma mulher vietnamita e outra indonésia pelo assassinato de Kim Jong-nam, mantêm detido um químico norte-coreano e buscam outros quatro cidadãos do mesmo país que fugiram pouco depois do crime.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos