Pentágono testa sistema antimísseis com sucesso no Alasca

Washington, 11 jul (EFE).- O Pentágono anunciou que nesta terça-feira que testou com sucesso seu sistema antimísseis com a intercepção de um projétil lançado sobre o Alasca, em meio às crescentes tensões militares entre Estados Unidos e Coreia do Norte.

O teste aconteceu com o Sistema de Defesa Terminal de Área em Grandes Altitudes (THAAD, na sigla em inglês), o escudo antimísseis que os EUA pretendem instalar na Coreia do Sul, algo ao qual outras potências, como a China, se opõem.

"Não poderia me sentir mais orgulhoso da equipe do governo e do contratante deste teste de voo", afirmou o diretor da Agência de Defesa de Mísseis (MDA), o tenente general Sam Greaves.

A companhia aeroespacial e armamentista Lockheed Martin é a principal contratante do sistema THAAD.

"Este teste demonstra ainda mais a capacidade do sistema de armas THAAD e sua eficiência para interceptar e destruir ameaças de mísseis balísticos", acrescentou Greaves.

No último dia 4 de julho, a Coreia do Norte lançou com sucesso um míssil intercontinental que voou por mais tempo do que em qualquer outro teste feito até agora por Pyongyang e que teoricamente poderia chegar até o Alasca.

O teste antimísseis de hoje aconteceu na base da 11ª Brigada de Artilharia Aérea de Defesa, com sede em Kodiak (Alasca), utilizando os mesmos procedimentos que em um campo de batalha, acrescentou o Pentágono.

No mesmo dia em que o regime de Kim Jong-un efetuou seu mais recente lançamento de um míssil intercontinental, o 11º neste ano, os EUA e a Coreia do Sul efetuaram exercícios militares com mísseis para demonstrar sua "capacidade de fogo".

Nesses exercícios, no entanto, foi utilizado o Sistema de Mísseis Tático do exército dos EUA, conhecido como ATACMS, e o modelo balístico sul-coreano Hyunmoo II, com os quais foram lançados mísseis em águas territoriais da Coreia do Sul.

Já no último dia 21 de junho, EUA e Japão realizaram um teste de intercepção de um míssil de médio alcance sobre o oceano Pacífico que fracassou.

Anteriormente, em 30 de maio, o Pentágono obteve sucesso em um teste de intercepção de um míssil intercontinental lançado desde as ilhas Marshall, que foi capturado sobre o Pacífico por um projétil que partiu de Vandenberg (Califórnia).

O Pentágono nega a todo momento que estes exercícios e demonstrações de sua capacidade militar tenham a ver com a Coreia do Norte, cujos lançamentos de mísseis são considerados como uma ameaça à segurança mundial pelo governo dos EUA.

A Coreia do Norte continua avançando em sua capacidade de ter tecnologia de mísseis de longo alcance capaz de chegar ao território americano, bem como no desenvolvimento de uma ogiva nuclear suficientemente compacta como para ser instalada em um míssil.

O Pentágono, por sua vez, está revisando seu sistema de dissuasão nuclear, integrado por mísseis intercontinentais, bombardeiros estratégicos e submarinos nucleares, para determinar se há necessidade de modernização.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos