IFJ diz que 1 de cada 2 jornalistas sofre violência de gênero no trabalho

Bruxelas, 24 nov (EFE).- Uma pesquisa da Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) publicada nesta sexta-feira revelou que uma de cada duas jornalistas sofre violência de gênero no ambiente de trabalho.

De acordo com a organização, na opinião de 85% das entrevistadas, aqueles que cometem esses atos não são punidos ou recebem punições insuficientes. As formas de violência mais comuns contra elas são abuso verbal (63%), abuso psicológico (41%), assédio sexual (37%), abuso econômico (21%) e, inclusive, agressões físicas (11%).

Em 45% dos casos o autor é uma pessoa de fora do trabalho, mas relacionada a ele, como fontes, políticos, leitores ou ouvintes, mas em 38% das ocasiões foram os próprios chefes ou supervisores os que exerceram este tipo de violência.

"As mulheres jornalistas de 50 países contam a mesma história - a violência baseada no gênero no mundo do trabalho é generalizada e a ação para combatê-la é inexistente ou inadequada em praticamente todos os casos. Precisamos de ações urgentes para levar os envolvidos a julgamento e dar confiança às mulheres jornalistas para denunciar tais abusos", afirmou a vice-presidente do Conselho de Gênero da IFJ, Mindy Ran, em comunicado.

Segundo a IFJ, atualmente apenas 26% das empresas de comunicação têm uma política referente à violência de gênero e ao assédio sexual.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos