PUBLICIDADE
Topo

Acusado por atentado que matou 8 em Nova York se declara inocente

28/11/2017 22h44

Nova York, 28 nov (EFE).- O uzbeque Sayfullo Saipov, acusado de ser o responsável pelo atentado terrorista que matou oito pessoas e deixou 12 feridos em Nova York no dia 31 de outubro, disse nesta terça-feira que é inocente.

Durante audiência em um tribunal federal de Nova York, Saipov foi ouvido pelo juiz Vernon S. Broderick para responder às 22 acusações apresentadas contra ele na semana passada.

"Inocente", disse o advogado David Paitton, chefe da Defensoria Pública Federal de Nova York, em nome de Saipov, que morava em Nova Jersey e pode pegar até a pena de morte.

A voz de Saipov, que se mudou para os EUA em 2010, só foi ouvida uma vez, quando ele respondeu positivamente à pergunta do juiz sobre se podia ouvir seu intérprete.

Patton indicou ao juiz que no período de um mês deve apresentar ao tribunal sua recomendação para que um advogado especialista em pena de morte acompanhe o acusado, segundo o "The New York Times".

Além disso, o defensor público lembrou que é raro que a Promotoria Federal de Manhattan peça a pena de morte para um acusado. A última vez que isso ocorreu foi em 2009, em um caso que envolvia tráfico de drogas e duas mortes. Na ocasião, o juiz condenou o criminoso a prisão perpétua.

Um grande júri federal acusou Saipov por oito homicídios, 12 tentativas de homicídio, tentativa de fornecer material e apoiar o grupo terrorista Estado Islâmico e de violência pela destruição do veículo que ele conduzia na hora do atentado.

Os promotores afirmaram hoje durante a audiência que o uzbeque, de 29 anos, preso desde o atentado, conduzia o caminhão alugado duas horas antes e com o qual ele atropelou um grupo de pessoas que andava de bicicleta por Manhattan.

Saipov, também acusado de ser seguidor do Estado Islâmico, foi ferido pelos policiais que o prenderam. De acordo com os promotores, ele teria levado o caminhão para a ciclovia com o objetivo de matar o maior número de pessoas possível.

Até a data escolhida pelo uzbeque, segundo a acusação, tinha o mesmo objetivo. O ataque ocorreu no Dia do Halloween, uma das festas mais tradicionais dos EUA.