Governo revela que 20 milhões de russos vivem abaixo da linha de pobreza

Moscou, 28 dez (EFE).- Aproximadamente, 20 milhões de russos, em torno de 13% da população, vive abaixo da linha de pobreza, informou o governo nesta quinta-feira.

"De acordo com os nossos dados, o número de cidadãos com renda inferior ao mínimo que permite a sobrevivência se mantém em torno dos 20 milhões", disse o ministro do Trabalho, Maxim Topilin, em entrevista ao canal público.

Ele admitiu que é um indicador "pelo menos, desagradável" e vinculou isso ao aumento do custo da vida. Topilin lembrou que, por ordem do presidente russo, Vladimir Putin, o salário mínimo (R$ 445) vai aumentar até atingir 85% do mínimo para sobreviver a partir de 1 de janeiro. Segundo o ministro, o salário mínimo no país irá se equiparar ao nível de subsistência, que atualmente ronda os 10 mil rublos (R$ 570).

Putin, que admitiu que o aumento do número de pessoas pobres é "alarmante", destacou que a economia russa já superou a recessão e que "tanto os atores econômicos quanto os cidadãos sentirão gradualmente as melhorias".

Conforme dados oficiais, quase 8 milhões de russos podem ser declarados falidos por dívidas. O maior problema para muitas famílias russas é a perda de poder aquisitivo devido à desvalorização do rublo, que perdeu mais da metade do valor frente ao euro e ao dólar desde o fim de 2014, e ao aumento do custo da cesta básica por conta das sanções contra os produtos ocidentais. EFE

io/cdr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos