Justiça espanhola não pedirá detenção de Puigdemont na Dinamarca

Madri, 22 jan (EFE).- O juiz espanhol Pablo Llarena se recusou nesta segunda-feira a cursar um mandado europeu de detenção do ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, na Dinamarca, como lhe tinha solicitado a promotoria pelos supostos crimes de rebelião e insurreição em relação com o processo independentista nessa região espanhola.

Em um auto publicado hoje, o magistrado do Tribunal Supremo considera razoável o pedido da Promotoria Geral da Nação, mas acrescenta que há matizes que fazem com que uma ordem desse tipo deva ser posposta.

Puigdemont chegou hoje a Copenhague procedente da Bélgica, onde permaneceu três meses foragido da Justiça espanhola.

O ex-presidente catalão deve participar hoje em um debate organizado pela universidade da capital dinamarquesa, na primeira vez que sai da Bélgica em todo este tempo.

Em um primeiro momento, a Justiça espanhola ditou diferentes ordens europeias contra Puigdemont e quatro dos seus antigos colaboradores também foragidos, mas Llarena decidiu retirá-las em 5 de dezembro do ano passado, com a advertência de serem detidos assim que retornassem à Espanha.

Llarena considerou que as ordens emitidas pela Audiência Nacional deveriam ser retiradas porque poderiam condicionar a evolução da investigação e os possíveis crimes pelos quais os acusados podem ser indiciados.

Os crimes de rebelião e insurreição não estão previstos no ordenamento jurídico da Bélgica, o que impedia que Puigdemont fosse entregue pelas autoridades belgas para seu indiciamento na Espanha por estes motivos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos