Bangladesh e Mianmar se culpam por atraso em repatriação de rohingyas

Daca/Bangcoc, 23 jan (EFE).- Os governos de Daca e Naypyidaw se culparam mutuamente de descumprir os prazos da repatriação a Mianmar de mais de 688 mil rohingyas refugiados no leste de Bangladesh, cujo início estava previsto para esta terça-feira.

Nenhum dos dois países reconhece o direito à cidadania dessa comunidade, que compartilha a etnia bengali e o credo islâmico com a população de Bangladesh, mas que está assentada há séculos em Mianmar, onde sempre foi perseguida.

Enquanto o governo de Mianmar afirma estar "preparado", as autoridades de Bangladesh divergem e apontam que ainda há trabalho a fazer antes de começar o processo de repatriação, que também é rejeitado pelos líderes dos campos de deslocados.

"Não sabemos se tínhamos que ir hoje, ninguém nos disse, mas se formos a Mianmar seremos torturados de novo", disse à Agência Efe Mohammad Ayub, de 40 anos e um dos líderes no campo de refugiados de Balukhali, ao qual "ainda está chegando mais gente".

A maioria dos refugiados fugiu do norte de Rakain, no oeste de Mianmar, por causa da operação militar que o exército do país lançou no final de agosto do ano passado em resposta a um ataque de insurgentes rohingyas, cuja comunidade é minoritária frente à maioria budista desse estado.

Win Myat Aye, ministro de Conforto Social, Ajuda e Reassentamento de Mianmar, afirmou na segunda-feira no Parlamento que há provisões de comida e água, transporte e refúgio em pelo menos dois acampamentos situados no distrito de Maungdaw.

No entanto, o comissário para a Ajuda e Repatriação de Refugiados de Bangladesh, Abul Kalam, indicou à Efe que ainda há coisas a fazer antes de começar o processo, entre elas construir infraestruturas, como um campo de passagem.

Falta também elaborar uma lista das pessoas que seriam objeto da repatriação, baseada em laços familiares e sua localidade origem, que deve ser verificada por Mianmar.

"Se tivéssemos a lista, poderíamos começar amanhã, mas ainda não a recebemos", se esquivou Aye, que tinha anunciado previamente o retorno de 50 indianos e 700 muçulmanos.

O processo de repatriação, cuja data de início foi estipulada pelos países no último dia 23 de novembro, estabelece um prazo de dois anos para completar a tarefa, contra o qual organismos de direitos humanos e agências da ONU têm se manifestado.

"Os refugiados rohingyas não deveriam ser devolvidos a campos vigiados pelas mesmas forças que os obrigou a fugir de massacres, violações em massa e da queima das suas aldeias", denunciou em um comunicado o diretor para a Ásia da Human Rights Watch (HRW), Brad Adams.

O exército de Mianmar nega ter cometido abusos durante as operações qualificadas de segurança e a ONG Médicos Sem Fronteiras afirma que causou a morte de pelo menos 6.700 rohingyas.

Mianmar não reconhece a cidadania dos rohingyas e os considera imigrantes bengalis, submetendo-os a uma discriminação crescente, com restrições à liberdade de movimentos.

Por vez, Bangladesh, onde antes da crise já viviam cerca 300 mil membros desta minoria, sempre os tratou como estrangeiros, por isso a maioria de membros da comunidade é apátrida.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos