PUBLICIDADE
Topo

Colômbia encontra 3 corpos que podem ser de jornalistas equatorianos

21/06/2018 21h53

(Atualiza com novas informações).

Bogotá, 21 jun (EFE).- As autoridades da Colômbia encontraram quatro corpos, dos quais três podem ser da equipe do jornal equatoriano "El Comercio" que foi sequestrada e assassinada por dissidentes das Farc lideradas por Walter Patricio Arizala, conhecido como "Guacho", informou nesta quinta-feira o presidente Juan Manuel Santos.

"Me informaram que encontramos corpos que podem corresponder aos três jornalistas sequestrados e assassinados pelo homem conhecido como 'Guacho'", escreveu Santos na sua conta do Twitter, onde acrescentou que as autoridades estão trabalhando para verificar as identidades.

Na mesma mensagem, o presidente colombiano reiterou suas condolências às famílias, assim como seu "repúdio por tão atroz crime".

Por sua vez, o Ministério da Defesa explicou que o processo legista terminará amanhã em Cali, no sudoeste da Colômbia, e acrescentou que o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) já foi informado.

Essa entidade informou que já está em contato com as presidências da Colômbia e do Equador e que comunicaram o achado desses corpos aos familiares.

"Estaremos acompanhando-os durante este processo. Lamentamos profundamente sua perda e expressamos nossas condolências", ressaltou o CICV também no Twitter.

A equipe do jornal "El Comercio", composta pelo jornalista Javier Ortega, o fotógrafo Paúl Rivas e o motorista Efraín Segarra, foi sequestrada no último dia 26 de março em uma zona rural da paróquia de Mataje, no munícipio de San Lorenzo, na província de Esmeraldas, na fronteira com a Colômbia, para onde havia se deslocado para cobrir a insegurança crescente na região.

Pouco depois o grupo dissidente de "Guacho", denominado Frente Oliver Sinisterra, assumiu a autoria do sequestro e posterior assassinato da equipe do jornal.

No dia 13 de abril, o presidente equatoriano, Lenín Moreno, confirmou a morte dos três nas mãos desse grupo dissidente das Farc.

Dias depois de se saber do assassinato da equipe jornalística também foi confirmado que o grupo dissidente sequestrou um casal de comerciantes equatorianos na mesma região, uma convulsa área onde operam grupos armados ilegais e proliferam os cultivos de coca.

O governo colombiano e as Farc assinaram um acordo de paz em 24 de novembro de 2016 para terminar 52 anos de conflito.

No entanto, alguns guerrilheiros se opuseram ao acordo e outros foram expulsos do grupo armado por não assumir as diretrizes da hierarquia das Farc.

Atualmente estas dissidências operam em departamentos do sul do país, assim como em Nariño, na fronteira com o Equador.