PUBLICIDADE
Topo

Ilha irlandesa de Tory se despede de seu último rei

25/10/2018 09h23

Dublin, 25 out (EFE).- A pequena ilha de Tory, em frente ao litoral do remoto condado de Donegal, no noroeste da Irlanda, se despede nesta quinta-feira de seu último monarca, o "rei" Patsy Dan Rodgers, que morreu na sexta-feira passada em Dublin aos 74 anos.

O "Rei da Ilha de Tory" é um curioso cargo cuja origem remonta ao século VI. Porém, algumas fontes asseguram que esta tradição poderia ter até 5.000 anos de antiguidade.

Rodgers subiu em 1993 ao trono de Toraigh, nome gaélico de uma ilha na qual vivem cerca de 150 pessoas e à qual se chega por ferryboat, cujos passageiros eram frequentemente recebidos pessoalmente pelo monarca.

As autoridades locais preveem que um grande número de visitantes se dirijam à igreja de Saint Colmcille para participar do funeral de Patsaí Dan Mag Ruairdhrí, músico, artista plástico e defensor da língua autóctone, falada habitualmente pelos moradores da ilha.

Embora tenha nascido em Dublin, o "rei" foi adotado aos quatro anos de idade e passou toda sua vida em Tory, onde se tornou um "grande defensor das comunidades ilhoas deste país, segundo lembrou o presidente da Irlanda, Michael Sr. Higgins.

"O seu amor por Toraigh e pelas suas pessoas era evidente na sua arte e em suas campanhas, e foi um extraordinário embaixador da ilha e de toda a sua acolhedora diversidade", destacou o chefe do Estado irlandês.

Entre outros ações, Rodgers liderou no final da década de 90 a oposição de ilhéus a um plano do Governo de Dublin projetado para situar este tipo de comunidade em "terra firme".

Hoje, a ilha de Tory recebe milhares de turistas todo ano, atraídos pela beleza de suas paisagens, a tradicional forma de vida dos seus habitantes e os seus monumentos históricos, entre os quais figuram restos de assentamentos neolíticos.

Patsy sucedeu no trono a Padraig Óg Rodgers, membro de uma família que assegura que seus vínculos com a ilha têm mais de 3.000 anos de idade, e, por enquanto, ninguém foi proposto para ser coroado como novo "rei da ilha de Tory".