PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Guaidó diz não desprezar "ameaças" do Ministério Público venezuelano

29/01/2019 15h45

Caracas, 29 jan (EFE).- O líder do parlamento e autoproclamado presidente em exercício da Venezuela, Juan Guaidó, disse nesta terça-feira que não despreza as "ameaças" do Ministério Público, depois que o procurador-geral, Tareq Saab, pediu ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) que proíba sua saída do país.

"Não estou desprezando uma ameaça de prisão e não quero que pareça assim da nossa parte. E muito responsavelmente lhes digo que não há nada novo sob o sol infelizmente; um regime que não dá respostas aos venezuelanos, a única resposta é perseguição, repressão", disse Guaidó ao ser consultado sobre o pedido de Saab.

Na sede do parlamento venezuelano, onde nesta terça-feira será realizada a sessão ordinária da Câmara, o opositor indicou que seguirá trabalhando para lidar com a "emergência humanitária" do país e que agora se encontra preocupado com a crise que assola a Venezuela.

No entanto, foi insistente em ressaltar que não despreza as "ameaças" e a "perseguição" contra sua pessoa.

O procurador-geral pediu hoje ao TSJ, como parte de uma investigação preliminar, que bloqueie as contas e impeça a saída do país do deputado que anunciou no último dia 23 de janeiro que assumiu as competências do Executivo como presidente em exercício ao argumentar que Maduro "usurpa" o poder.

Maduro venceu com tranquilidade os pleitos antecipados de maio do ano passado, dos quais não participou o grosso da oposição por ter seus principais partidos e políticos inabilitados e por considerá-los fraudulentos.

O antichavismo afirma, por isso, que o segundo mandato de seis anos de Maduro é "ilegítimo", razão pela qual o Poder Executivo recai no líder do parlamento até que sejam convocadas novas eleições, segundo a interpretação que fazem de alguns artigos da Constituição. EFE

Internacional