PUBLICIDADE
Topo

Ex-presidente do Peru volta a negar propina em palestra dada no Brasil

Alan García, ex-presidente do Peru, em foto de 210 - Alejandro Pagni/AFP
Alan García, ex-presidente do Peru, em foto de 210 Imagem: Alejandro Pagni/AFP

Em Lima

18/02/2019 21h00

O ex-presidente do Peru Alan García voltou a negar hoje que os US$ 100 mil recebidos por ele para dar uma palestra no Brasil não são uma propina paga pela construtora Odebrecht, como acusam os promotores responsáveis pelas investigações da Lava Jato no país.

Em entrevista à RPP Notícias, García afirmou que o promotor José Domingo Pérez, que está no Brasil para ouvir ex-funcionários da Odebrecht, mente que a palestra seja uma propina em troca de favorecer a empresa em obras de seu governo, como o metrô de Lima.

"Enviaram US$ 70 mil direto para minha conta, com o meu nome. Pagaram impostos no Brasil para enviá-los e eu paguei US$ 30 mil em impostos para a Sunat (a Receita Federal do Peru) imediatamente", alegou García na entrevista.

Os promotores do caso Odebrecht no Peru estão no Brasil para interrogar ex-funcionários da empresa, dentro de um acordo de colaboração assinado entre as partes.

Um dos assuntos levantados por eles foi a palestra dada por García em maio de 2012 na Federação de Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), pela qual o ex-presidente recebeu US$ 100 mil. Para os promotores, o dinheiro seria pagamento de propina.

A equipe do Ministério Público do Peru ouviu Marcos de Queiroz Grillo, ex-responsável pela Divisão de Operações Estruturadas da Odebrecht, órgão que faria o pagamento das propinas.

Os promotores queriam esclarecer a participação do ex-funcionário da construtora no dinheiro ilegal pago a funcionários do governo peruano para que a Odebrecht vencesse as licitações do metrô de Lima e para que García e o então ministro de Transportes, Enrique Cornejo, publicassem um decreto de urgência que facilitaria a vitória do consórcio formado pela empresa no projeto.

"Grillo disse textualmente que a palestra não tem nada a ver com qualquer suborno ou propina", afirmou García.

"Isso foi fundamental em um país onde estamos descobrindo que os presidentes foram comprados aos milhões", continuou.

No entanto, o procurador público Jorge Ramírez, que participou do depoimento do ex-funcionário da Odebrecht, disse que Grillo afirmou que o contrato da palestra foi simulado pelas partes.

"Não posso revelar detalhes, mas é evidente que se trata de um contrato simulado feito posteriormente. Estão sob dúvida a procedência e a licitude do dinheiro", afirmou Ramírez.

O advogado de García, Erasmo Reyna, também presente no depoimento realizado em Curitiba, afirmou que o pagamento foi "absolutamente lícito". "Não vamos buscar cinco pés no gato quando ele tem quatro. García fez sua palestra, foi estabelecido um pagamento por honorários. Esses honorários foram pagos e sobre esse dinheiro foram quitados os impostos", afirmou.

"Querem me colocar na mesma cesta que todos esses presidentes ladrões que elegeram. Se desesperam porque não encontraram nada contra mim e seguem perseguindo uma palestra real", afirmou.

Na última sexta-feira, os promotores peruanos assinaram no Consulado Geral do Peru de São Paulo um compromisso com a Odebrecht. A empresa se dispôs a entregar documentos ao governo do país e pagar 610 milhões de sóis peruanos (US$ 182 milhões) pelas propinas distribuídas durante 2005 e 2014.