PUBLICIDADE
Topo

Autoridades dizem que arma de sequestrador de avião em Bangladesh era falsa

25/02/2019 08h51

Daca, 25 fev (EFE).- O homem que no domingo tentou sequestrar um avião de uma companhia de Bangladesh com mais de cem passageiros a bordo e que foi morto pelas forças de segurança, usou uma "arma de brinquedo", informaram nesta segunda-feira as autoridades.

"Até agora (a arma) parece falsa. O padrão de comportamento e as coisas sugerem que o homem estava psicologicamente desequilibrado", disse à Agência Efe o presidente da Autoridade de Aviação Civil de Bangladesh, vice-marechal M. Naim Hassan.

O avião, da companhia aérea nacional Biman Bangladesh Airlines, com 134 passageiros e 14 tripulantes a bordo, tinha partido de Daca com direção a Dubai, embora antes deveria fazer escala no aeroporto de Chittagong, no sudeste do país.

No entanto, em pleno voo, o piloto avisou as autoridades aeroportuárias, informando que o avião tinha sido "sequestrado", o que deu início a uma operação militar.

Após a aterrissagem de emergência, os passageiros e a tripulação deixaram o avião em segurança, ficando no da aeronave apenas o sequestrador, de 24 anos, que estava armado unicamente com uma pistola.

Veículos de imprensa locais divulgaram versões relatadas pelos passageiros que viajavam na aeronave nas quais os mesmos asseguraram que escutaram disparos.

O vice-marechal Hassan, no entanto, explicou hoje que os passageiros, sob a tensão do momento, podem ter confundido o som.

As autoridades informaram ontem que o homem, que se identificou com o nome de Mahadi, exigiu "falar com a honorável primeira-ministra (Sheikh Hasina) e com sua esposa".

O Batalhão de Resposta Imediata (em inglês RAB) de Bangladesh informou hoje que a impressão digital do sequestrador, assassinado ontem pelas forças, mostrou registros criminais na sua base de dados.

"Segundo a informação na base de dados, o seu nome é Palash Ahmed", indicou à Efe o porta-voz do RAB Mizanur Rahman.

O agressor "era um passageiro da rota nacional Daca-Chittagong que ocupava o assento número 17A. Ainda estamos investigando detalhes de sua atividade criminosa", disse.

As autoridades de aviação civil de Bangladesh formaram um comitê de cinco membros para investigar o incidente.

"Até agora, sabemos que é uma pistola falsa, mas ainda estamos na etapa inicial da investigação", indicou Mokabbir Hossain, o chefe da investigação.

Há dois anos, Bangladesh já tinha recebido o primeiro aviso de que um atentado como este poderia ocorrer.

A polícia de Bangladesh deteve em 2017 um piloto da Biman Bangladesh Airlines acusado de um complô com vários radicais islâmicos para sequestrar ou derrubar um avião. EFE