PUBLICIDADE
Topo

Peru pede saída pacífica para crise da Venezuela na reunião Grupo de Lima

25/02/2019 13h19

Bogotá, 25 fev (EFE).- O vice-ministro de Relações Exteriores do Peru, Hugo de Zela Martínez, pediu nesta segunda-feira, durante cúpula do Grupo de Lima, em Bogotá, que a saída para a crise enfrentada pela Venezuela seja pacífica.

"O uso da força não é uma solução para o que ocorre na Venezuela. No Grupo de Lima, estamos lutando para que essa solução seja de forma pacífica", disse De Zela em discurso realizado na sede do Ministério de Relações Exteriores da Colômbia.

O representante peruano classificou como falsos os rumores de que o grupo está buscando uma saída que não seja pacífica para a crise. Além disso, ressaltou que todos já deixaram claro que o único caminho possível é seguir a Constituição da Venezuela.

"A Constituição é claríssima no sentido que cabe ao governo legítimo de Juan Guaidó antecipar o processo (eleitoral) para o restabelecimento da democracia nesse país. A solução da crise se dará mediante a saída do ditador", afirmou De Vela.

"O Grupo de Lima não tem uma posição intransigente. Queremos eleições livres, justas e críveis, com observação internacional. Esse é o diálogo que todos queremos, o processo que queremos promover e não queremos perder tempo em contato com objetivos que não estão claros. No Grupo de Lima está muito claro qual é o objetivo", disse o vice-ministro.

De Zela também falou sobre o bloqueio aos caminhões de ajuda humanitária feito por ordem de Maduro na cidade de Cúcuta, na fronteira entre Colômbia e Venezuela.

"Era uma tentativa pacífica e humanitária de levar a tão necessitada ajuda aos venezuelanos que recebeu da parte da ditadura de Maduro o uso da força e violações maciças dos direitos humanos", criticou o vice-chanceler do Peru. EFE