Topo

Guaidó diz que Maduro tenta "sequestrar" Parlamento com operação policial

2019-05-14T15:31:00

14/05/2019 15h31

Caracas, 14 mai (EFE).- O líder do Parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino do país, afirmou que o governante Nicolás Maduro quis "sequestrar o poder legislativo" ao ativar nesta terça-feira um forte esquema policial em um dia de sessões alegando uma ameaça de bomba.

"Tentam sequestrar o poder legislativo enquanto o ditador se entrincheira sozinho, em um palácio onde não deveria estar, suspeitando de todos ao redor", escreveu Guaidó no Twitter.

Para o autoproclamado presidente, Maduro "volta a mostrar medo diante da legitimidade da Assembleia Nacional (AN)" com a grande operação da qual participam membros da Guarda Nacional Bolivariana (GNB), da Polícia Nacional Bolivarana (PNB) e do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin).

Todos eles estão presentes na sede do Parlamento e não permitem a entrada de deputados e nem de funcionários. Além disso, ninguém ofereceu detalhes sobre a suposta ameaça.

O contingente da GNB fechou os acessos ao palácio e, posteriormente, ampliou o perímetro, diminuindo a possibilidade de cidadãos comuns se aproximarem.

Para esta terça-feira, o Legislativo deve debater a "perseguição" contra deputados atribuída ao governo Maduro.

"Covarde como é, faz com que seu grupo de perseguição política ameace, não somente os deputados eleitos pelo povo, mas também os trabalhadores da AN", disse Guaidó em mensagem no Twitter.

Guaidó também reiterou que Maduro "acredita que o poder está nos edifícios, nas gavetas, em um molho de chaves", quando "o poder que alguma vez (ele e seu grupo político) tiveram, perderam quando perderam o povo". EFE

Mais Notícias