PUBLICIDADE
Topo

Governo Metropolitano de Tóquio cancela eventos públicos de grande escala

21/02/2020 19h54

Tóquio, 21 fev (EFE).- O Governo Metropolitano de Tóquio anunciou nesta sexta-feira a decisão de cancelar ou adiar eventos públicos de grande escala dentro de edifícios, planejados para entre este sábado e o dia 15 de março e organizados pelas autoridades da capital japonesa, em uma tentativa de evitar uma maior propagação do coronavírus.

Em entrevista coletiva, a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, explicou que os compromissos em questão poderiam ter uma participação mínima de aproximadamente 500 pessoas, embora ela tenha apontado esse número como uma referência.

A decisão não afetará eventos como exames já agendados ou cerimônias de graduação que sejam difíceis de adiar, desde que sejam tomadas as medidas apropriadas para evitar o contágio entre os participantes.

A decisão do Governo Metropolitano está de acordo com o pedido feito ontem à noite pelo Ministério da Saúde japonês para que os organizadores de atos de massa reconsiderem se devem cancelá-los ou adiá-los.

"Não estamos em uma fase em que tenhamos de cancelar todos os eventos. Deixamos isso ao critério dos organizadores", declarou o Ministro da Saúde, Katsunobu Kato.

Na entrevista coletiva, Koike também se referiu às recentes declarações do candidato à prefeitura de Londres Shaun Bailey, que disse que a capital britânica está pronta caso seja necessário que os Jogos Olímpicos deste ano, que acontecerão de 24 de julho a 9 de agosto, precisem mudar de sede. "Acho inapropriado que a questão do coronavírus seja usada como uma questão de campanha eleitoral", afirmou.

Nas últimas semanas, oficiais japoneses têm rejeitado planos para cancelar ou adiar os Jogos, e hoje o porta-voz do governo, Yoshihide Suga, insistiu que os preparativos para o evento esportivo continuem.

O Japão registrou mais de 700 casos de coronavírus, mas 636 deles foram relatados a bordo de um cruzeiro marítimo que chegou ao porto de Yokohama, ao sul de Tóquio, no início deste mês. EFE

yk-ag/dr

Notícias