PUBLICIDADE
Topo

Esse conteúdo é antigo

EUA: Flórida ultrapassa 27 mil casos confirmados e 800 mortes por covid-19

21/04/2020 02h20

Miami, 20 abr (EFE).- O número de novos casos confirmados de covid-19 voltou a passar de mil na Flórida, com mais 1.062 registros nas últimas 24 horas, totalizando 27.058 em todo o estado, em meio a um debate sobre o confinamento obrigatório.

O estado, que até esta segunda-feira já confirmou 823 mortes pela doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, tem 4 mil pessoas internadas pelo mesmo motivo. Ao todo, 273.552 testes foram feitos na Flórida.

O condado de Miami-Dade, o mais afetado pela pandemia, contabiliza 9.657 casos (quase 36% do total) e 223 mortes. Broward, o segundo em nível de contágios, tem 4.078, com 122 mortes reportadas pelo Departamento de Saúde estadual. Palm Beach vem logo atrás, com 2.260 casos confirmados e 122 óbitos.

Os três condados representam quase 60% dos casos de todo o estado, que na sexta-feira passada reabriu praias em condados do norte com números baixos, mas onde não foram cumpridas as ordens de distanciamento social, segundo a imprensa local.

MIAMI-DADE NÃO ABRIRÁ PRAIAS.

O condado de Miami-Dade, onde estão Miami Beach e as praias de Key Biscayne, anunciou nesta segunda-feira que não abrirá os balneários "por agora".

Na Flórida, só é permitido sair às ruas para comprar alimentos e remédios. Desde que respeitado o distanciamento social de ao menos 1,82 metro, também é possível fazer exercícios físicos ao ar livre e passear com animais de estimação.

"Necesitamos começar a pensar em como vamos abrir de uma maneira que limite a propagação do vírus", disse Carlos Giménez, prefeito de Miami-Dade.

Giménez, que planeja começar a reabertura por parques e campos de golfe, criticou cenas ocorridas em Jacksonville (nordeste) no fim de semana passado, quando muitas pessoas caminharam na orla sem praticar o distanciamento social.

"Não há nenhum plano para reabrir as praias em um futuro próximo. Provavelmente, será o último lugar aberto a reabrir", disse também o prefeito de Key Biscayne, Mike Davey. EFE

jip/vnm