PUBLICIDADE
Topo

ONU Mulheres debate aumento de feminicídios no Brasil em Fórum Virtual da Efe

25/05/2020 22h01

São Paulo, 25 mai (EFE).- A ONU Mulheres, ativistas feministas e representantes do setor empresarial vão participar nesta terça-feira (26) do Efe Fórum Virtual para debater o aumento do número de casos de violência doméstica no Brasil em meio à pandemia do novo coronavírus.

O debate acontecerá às 13h (de Brasília) e será transmitido ao vivo pela Agência Efe no YouTube: https://www.youtube.com/user/efebr?pbjreload=10.

O debate contará com a participação de Ana Paula Antunes, consultora da ONU Mulheres Brasil para o Enfrentamento à Violência contra as Mulheres.

Também marcarão presença Gabriela Manssur, fundadora do projeto Justiça de Saia, plataforma que fornece informações para ajudar mulheres vítimas de violência doméstica e promover o empoderamento feminino, e Vivian Machado, gerente de Comunicação, Diversidade e Inclusão do Grupo Carrefour Brasil.

O evento, patrocinado pelo Carrefour, pretende ser o ponto de partida para um conjunto de fóruns que dão voz a especialistas para a discussão de diferentes questões sociais relacionadas à pandemia da Covid-19.

Com o título "Mulheres isoladas: O aumento da violência contra a mulher durante a pandemia do coronavírus", a mesa redonda de amanhã terá como foco o crescente número de mulheres brasileiras que, durante as medidas de isolamento social, estão reclusas em casa com parceiros abusivos.

BRASIL ENTRE PAÍSES COM MAIS FEMINICÍDIOS.

O Brasil aparece em um triste quinto lugar em uma lista da Organização Mundial da Saúde (OMS) de países com maior número de feminicídios, atrás apenas de El Salvador, Colômbia, Guatemala e da Rússia.

Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, o número de denúncias feitas por telefone sobre violência sofrida por mulheres aumentou quase 18% durante os nove dias seguintes à data em que o confinamento social começou a valer em vários estados do país.

No Rio de Janeiro, um dos estados com maior número desse tipo de crime, os pedidos de medidas restritivas aumentaram em 50%.

Dados do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado no ano passado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, apontam que o país registrou um total de 66.041 casos de estupro em 2018, um número recorde. Além disso, mais de 1,2 mil mulheres foram vítimas de feminicídio no mesmo ano, 4% a mais do que em 2017.

"O número é alarmante e crescente", disse Vivian Machado em entrevista à Agência Efe.

A chefe da área de Diversidade e Inclusão do Carrefour Brasil ressaltou que a importância de lidar com essa questão é "gigantesca", pois "muitas vezes as mulheres não sabem que estão sofrendo violência" até que o agressor passe "para o próximo nível".

Machado vai contar no debate de amanhã quais políticas foram implementadas pela multinacional francesa para promover a igualdade e a inclusão de gênero.

Outra protagonista do fórum organizado pela Efe é Ana Paula Antunes, consultora de enfrentamento à violência contra mulheres e meninas da ONU Mulheres e doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília, na área de relações de gênero.

Por sua vez, Manssur é uma referência para o ativismo feminista no Brasil. Ela se dedica à defesa dos direitos da mulher há mais de 20 anos e é uma das principais vozes sobre o tema no país.