PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
15 dias

Vulcão La Soufrière tem nova erupção e lança coluna de fumaça de 17 km

As autoridades não informaram sobre feridos ou mortos após esta nova grande explosão - AFP PHOTO /© 2021, Planet Labs Inc./HANDOUT
As autoridades não informaram sobre feridos ou mortos após esta nova grande explosão Imagem: AFP PHOTO /© 2021, Planet Labs Inc./HANDOUT

12/04/2021 20h21

San Juan, 12 abr (EFE).- O vulcão La Soufrière, localizado no arquipélago caribenho de São Vicente e Granadinas, registrou nesta segunda-feira uma "enorme" erupção com uma coluna de fumaça de 17 quilômetros de altura, alertou a Unidade de Pesquisa Sísmica (SRU) da Universidade das Índias Orientais (UWI, na sigla em inglês).

A UWI, que monitora o vulcão de Trinidad e Tobago desde sua erupção na última sexta-feira, detalhou que a nova explosão ocorreu às 4h (horário local, 5h de Brasília) e incluiu a descida dos fluxos piroclásticos, que se trata de mistura de cinzas, fragmentos de rocha e gás produzido por uma erupção.

Ainda de acordo com a UWI, esses fluxos descem pelas encostas das montanhas após uma erupção e "causam devastação total".

As autoridades não informaram sobre feridos ou mortos após esta nova grande explosão, a maior desde que La Soufrière entrou em erupção na semana passada onde deixou pelo menos uma vítima até o momento.

Em entrevista à emissora estatal "NBC Radio", o cientista Richard Robertson, da UWI, disse que uma nova cratera foi criada como resultado desta nova explosão.

Nas próximas horas, o primeiro-ministro Ralph Gonsalves deverá realizar uma reunião de emergência com seu gabinete para acelerar o processo de evacuação e ordenar a melhor distribuição da ajuda que está chegando dos países vizinhos.

A Organização Nacional de Gerenciamento de Emergências (Nemo, na sigla em inglês) de São Vicente e Granadinas alertou ser "provável que outras explosões ocorram nos próximos dias".As autoridades de Santa Lúcia, ao norte, e de Barbados, a leste do arquipélago, pediram hoje à população que não saia de suas casas - a menos que seja necessário - e que, se o fizer, seja com máscaras, devido às cinzas.

Nos próximos dois dias, Barbados pode fechar seu comércio para realizar a remoção das cinzas que cobriram várias partes da ilha. EFE