PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Noite de protestos termina com 72 civis e 19 policiais feridos em Bogotá

05/05/2021 19h56

Bogotá, 5 mai (EFE).- Pelo menos 72 civis e 19 policiais ficaram feridos nos protestos da noite de terça-feira em Bogotá, nos quais manifestantes atacaram pelo menos 23 delegacias, uma das quais foi incendiada com dez agentes no interior, na véspera de uma nova paralisação nacional contra o governo do presidente colombiano, Ivan Duque.

"Durante toda a madrugada continuamos a transferir e a receber feridos para nossos hospitais. Temos 72 civis e 19 policiais feridos nos protestos", informou nesta quarta-feira o secretário de governo de Bogotá, Luis Ernesto Gomez.

Por sua parte, a polícia afirmou que 25 dos seus Comandos de Atendimento Imediato (CAI) foram atacados por multidões e que três dessas delegacias foram completamente destruídas.

A pior situação ocorreu no CAI do bairro de La Aurora, no sul da capital, onde os manifestantes atearam fogo dentro da unidade na qual se encontravam dez agentes, que conseguiram escapar das chamas.

"Olho com tristeza para o que eles fizeram... Temos o direito de protestar, apoiamos totalmente o protesto, mas me dá vontade de chorar ver o que fazem a estas pessoas", disse à Agência Efe Gladys Villamizar, vizinha do CAI do bairro de La Candelaria, no sul de Bogotá, que também foi destruído.

À beira das lágrimas, a mulher pediu que a comunidade se una para "apoiar as coisas boas" e, referindo-se aos ataques de ontem à noite, acrescentou: "Isto não resolve a situação".

Já a prefeita de Bogotá, Claudia López, descreveu a noite na cidade como "dolorosa", devido à "escalada brutal da violência", que ocorreu no sétimo dia de protestos contra o governo.

O gabinete da prefeita informou também que 104 ônibus de transporte público em Bogotá foram afetados pela ação de vândalos e que três deles foram queimados.

Como resultado destes ataques, a empresa Transmilenio começou a operar mais tarde do que o habitual nesta quarta-feira e encerrará suas atividades às 15h, com apenas 60% da sua frota.

Os violentos protestos começaram no último dia 28 de abril e até agora, de acordo com a Defensoria Pública, causaram 19 mortes, uma cifra que organizações sociais elevam para 31, atribuídas em sua maioria à violência policial, principalmente em Cali, terceira maior cidade do país.

A Defensoria Pública também denunciou ontem que na última semana pelo menos 89 pessoas desapareceram, sem especificar as circunstâncias, das quais apenas duas foram encontradas.