Presidente das Filipinas volta a afrontar EUA antes de viagem ao Japão

Por Martin Petty e Linda Sieg

MANILA/TÓQUIO (Reuters) - O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, se voltou novamente contra os Estados Unidos nesta terça-feira e disse que o país pode esquecer um acordo de defesa bilateral se ele ficar no poder por tempo suficiente, na mais recente declaração de impacto de Manila sobre o futuro da aliança.

A nova afronta de Duterte ocorreu às vésperas de seu embarque para uma visita oficial ao Japão, também aliado dos EUA e grande investidor nas Filipinas que vem expressando nervosismo com sua aparente guinada rumo à potência rival China.

Volátil e rígido com a criminalidade, Duterte havia suavizado os comentários feitos na semana passada sobre uma "separação" de Washington, dizendo à mídia japonesa que não está planejando uma troca de alianças e que só está procurando formar laços de negócio e comércio com a China.

Mas ele não segurou a língua nesta terça-feira, quando afirmou que odeia ter tropas estrangeiras nas Filipinas e disse aos EUA para não tratarem seu país "com um cão na coleira".

Comentando uma visita a Manila feita na segunda-feira por Daniel Russel, secretário de Estado assistente dos EUA, Duterte disse que Washington deveria esquecer o Acordo Intensificado de Cooperação de Defesa (Edca, na sigla em inglês) com as Filipinas se ele ficar no cargo por mais tempo.

"Vocês têm o Edca, bem, esqueçam-no. Se eu fica aqui por tempo suficiente", disse. "Não quero ver nenhum militar de nenhuma outra nação, exceto filipino. Essa é a única coisa que quero".

Ele não detalhou o que quis dizer quando falou em ficar mais tempo. Nas Filipinas, o presidente só pode exercer um mandato de seis anos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos