Ausentes em voo da Chapecoense vivem drama após acidente

Por Brad Haynes

CHAPECÓ (Reuters) - Para o atacante Alejandro Martinuccio, a cirurgia no joelho direito há dois meses foi um golpe duro, o tirando de campo quando a Chapecoense, o seu time, teve vitórias surpreendentes contra clubes grandes do seu país de origem, a Argentina.

Contudo, a cirurgia salvou mais do que o joelho de Martinuccio. Ela salvou a sua vida.

Depois que a maior parte dos seus companheiros de time morreu num acidente aéreo na Colômbia na segunda-feira a caminho da final Copa Sul-Americana, Martinuccio é um dos jogadores e funcionários da Chapecoense remoendo sobre o fato de não terem tido o mesmo destino.

"Se eu estivesse bem, eu iria para o jogo”, disse Martinuccio, acrescentando que que poderia levar dias para entender o que havia acontecido.

"O fato de que eu não estava lá, é muito duro. É demais para a minha cabeça.”

Das 77 pessoas no voo, somente dois membros da tripulação, um jornalista e três jogadores da Chapecoense sobrevieram depois que o avião caiu numa área de floresta nos arredores de Medellín.

Psicólogos que dão aconselhamento ao clube e a parentes em Chapecó afirmam que pode levar bem mais do que apenas alguns dias para que os que ficaram no Brasil superassem os sentimentos de alívio, lamento e culpa.

“Perder o voo é também um tipo de trauma”, declarou Andre Pessoa, psicólogo da universidade local oferecendo de forma voluntária os seus serviços para o time.

"Por um lado, essas pessoas podem se sentir aliviadas por não estarem no avião, mas o sofrimento pode ser tão ruim quanto se elas estivessem.”

Para alguns, a ausência foi um simples acidente. O filho do técnico Caio Júnior ficou em São Paulo porque esqueceu o passaporte.

Eliandra Valer, namorada do chefe de segurança do clube, havia há pouco viajado para a Argentina com o time usando a carteira de identidade, mas não tinha um passaporte para a viagem à Colômbia.

"Eu estava planejando ir, mas eu não tive sorte com o passaporte. Ou, eu acho, eu tive sorte”, disse ela, emocionada. “Eu não sei o que pensar.”

O ex-técnico Vinicius Eutropio deixou o clube no ano passado. "Isso faz você pensar sobre o valor da sua vida, se há algum significado quando você vai e quando você fica”, disse Eutropio.

Claudio Winck, um defensor que o técnico deixou de fora da equipe que viajou, afirmou que teve dificuldades para dormir depois de passar a terça-feira imaginando o que poderia ter acontecido.

"Eu fiquei lá com a cabeça no travesseiro apenas pensando nos meus companheiros”, declarou ele. “Todos queríamos jogar aquela final.”

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos