ONU impõe novas sanções à Coreia do Norte para reduzir renda com exportações

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) impôs novas sanções à Coreia do Norte nesta quarta-feira, cuja meta é reduzir em um quarto a renda anual do país asiático com exportações, em reação ao quinto e maior teste nuclear de Pyongyang, realizado em setembro.

O Conselho de 15 membros adotou por unanimidade uma resolução cortar em cerca de 60 por cento o principal item de exportação norte-coreano, o carvão, impondo um teto de vendas anual de 400,9 milhões de dólares ou 7,5 milhões de toneladas métricas – o que for mais baixo.

A resolução elaborada pelos Estados Unidos também proíbe as exportações de cobre, níquel, prata e zinco e a venda de estátuas.

Os EUA são realistas no tocante ao que as novas sanções à Coreia do Norte – também conhecida como República Popular Democrática da Coreia (DPRK, na sigla em inglês) – irão conseguir, disse a embaixadora norte-americana na ONU, Samantha Power, ao Conselho depois da votação.

"Provavelmente nenhuma resolução tomada em Nova York irá, amanhã, persuadir Pyongyang a cessar sua busca implacável por armas nucleares. Mas esta resolução impõe custos sem precedentes ao regime da DPRK por desafiar as exigências deste Conselho", disse a embaixadora.

"No total, esta resolução irá cortar em ao menos 800 milhões de dólares por ano a moeda forte que a DPRK tem para financiar seus programas de armas proibidos, o que constituiu 25 por cento de toda a renda de exportações da DPRK", acrescentou.

A Coreia do Norte vem sendo submetida a sanções da ONU desde 2006 por causa de seus testes com mísseis nucleares e balísticos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos