Dólar cai 0,30% sobre o real, com fluxo de recursos

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou esta sexta-feira em baixa frente ao real, com fluxo de ingresso de recursos após uma semana intensa de estresse por conta do cenário político no país.

O dólar recuou 0,30 por cento, a 3,3729 reais na venda, novamente o menor nível desde 22 de novembro (3,3565 reais). Na semana, o dólar acumulou perda de 2,87 por cento frente ao real.

Na mínima da sessão, a moeda norte-americana marcou 3,3520 reais e, na máxima, 3,4116 reais, com alta de 0,85 por cento, o que acabou atraindo investidores de fora e exportadores. O movimento acabou invertendo o rumo da moeda norte-americana, que acabou fechando o pregão em baixa.

O comportamento do dólar no Brasil ficou deslocado do exterior, onde a moeda norte-americana avançava ante divisas emergentes como o peso mexicanos. O dólar sobre uma cesta de moedas também apresentou ganhos durante toda a sessão.

Nesta semana, o mercado mostrou volatilidade diante da cena política, após uma liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello pedir o afastamento de Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado.

O plenário do STF, no entanto, decidiu manter Renan à frente do Senado, mas tirá-lo da linha sucessória da Presidência da República, trazendo mais alívio aos investidores por manter a agenda de votações no Senado que prevê, na próxima terça-feira, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos públicos, importante medida do governo para tentar colocar a economia nos eixos.

"A próxima semana tem eventos muito importantes e essa expectativa vem gerando volatilidade", disse o operador da corretora Advanced Corretora, Alessandro Faganello. "O mercado está confortável com o nível de preços, então isso também ajuda a segurar o dólar onde está", afirmou.

Além das votações no Congresso brasileiro, o mercado estará com os olhos focados no Federal Reserve, banco central norte-americano, na próxima quarta-feira. A expectativa é de que o Fed eleve a taxa de juros, como mostra a ferramenta FedWatch do Grupo CME.

Os investidores, no entanto, vão buscar pistas sobre novos e/ou maiores aumentos após a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, cuja política econômica pode ser inflacionária.

"Se o Fed não surpreender, acabou o ano. Se vier qualquer surpresa negativa, vai ter volatilidade com realinhamento de preços", comentou o operador da corretora Mirae Asset Olavo Souza.

O Banco Central brasileiro vendeu nesta manhã o lote integral de 15 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda de dólares no futuro, para rolagem dos contratos com vencimento em janeiro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos