BC reduz Selic a 7,5% ao ano e sinaliza cortes mais moderados adiante

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central desacelerou o passo e reduziu nesta quarta-feira a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, a 7,5 por cento ao ano, deixando a porta aberta para novos e menos intensos cortes à frente.

"Para a próxima reunião (em dezembro), caso o cenário básico evolua conforme esperado, e em razão do estágio do ciclo de flexibilização, o Comitê vê, neste momento, como adequada uma redução moderada na magnitude de flexibilização monetária", informou o BC, retirando do comunicado a menção ao "encerramento gradual do ciclo" de afrouxamento monetário.

O BC havia reduzido os juros em 1 ponto percentual em suas últimas quatro reuniões. Em pesquisa Reuters, 53 de 54 analistas consultados previam que o corte desta vez seria menor, de 0,75 ponto. Esse foi o nono corte consecutivo na Selic, que a levou ao nível mais baixo desde abril de 2013.

Desde o início do mês passado, o BC vinha apontando que o Comitê de Política Monetária (Copom) antevia o encerramento gradual do ciclo.

"A gente está vendo um cenário relativamente tranquilo para inflação, em que pese o susto do aumento da energia elétrica", afirmou o economista do banco Santander Luciano Sobral, para quem a Selic irá a 6,75 por cento em fevereiro.

No comunicado, o BC elevou marginalmente a projeção de inflação pelo cenário de mercado a 3,3 por cento em 2017, ante 3,2 por cento em sua última estimativa, feita em setembro no relatório trimestral de inflação. Para 2018 e 2019, a perspectiva foi mantida em 4,3 por cento e 4,2 por cento, respectivamente.

A meta de inflação para este ano e o próximo é de 4,5 por cento pelo IPCA, caindo a 4,25 por cento em 2019, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Apesar das expectativas de inflação bastante comportadas, os preços administrados têm pressionado os preços nos últimos tempos, em especial os de combustíveis e da energia elétrica.

Na véspera, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou importantes mudanças nas bandeiras tarifárias, que elevam custos quando a oferta de eletricidade é menor, e os consumidores deverão sentir impactos já em novembro, com elevação nas contas de luz.

CORTE OU CORTES?

Na pesquisa Focus mais recente, feita pelo BC junto a uma centena de economistas todas as semanas, a expectativa era de que a Selic vá a 7 por cento no fim deste ano e do próximo, que já seria seu menor patamar histórico, hoje de 7,25 por cento.

Com a inflação projetada abaixo do centro da meta para 2017 e 2018 e pouco pressionada pela ainda lenta retomada da economia, uma parte dos analistas já enxergava a possibilidade de a Selic ir abaixo dos 7 por cento, com o atual ciclo de reduções entrando em 2018.

E, segundo parte dos analistas, o BC deixou a porta aberta para isso agora. "Agora estamos adicionando outro corte de 50 pontos base em fevereiro no próximo ano, seguindo a redução de 50 pontos que esperamos na reunião de 6 de dezembro. Isso levaria o nível final da taxa Selic neste ciclo para 6,50 por cento", escreveram em nota os economistas do JP Morgan Cassiana Fernandez e Vinicius Moreira.

No entanto, há posturas mais cautelosas também.

"Acho que vai ser unânime no mercado nova redução em dezembro. A Selic com certeza fecha o ano a 7 por cento", disse o economista do UBS Fabio Ramos, para quem o atual ciclo de afrouxamento acaba neste ano.

(Reportagem adicional de Bruno Federowski)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos