Internação de Temer repercute em sessão de votação da denúncia contra presidente

Por Ricardo Brito e Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - A internação do presidente Michel Temer em um hospital de Brasília nesta quarta-feira repercutiu durante a sessão do plenário que destinada a votar se autoriza o prosseguimento da denúncia contra o presidente e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral).

Decano da Câmara, o deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) pediu a palavra e afirmou que o plenário da Casa precisa ser "devidamente informado" sobre o que está acontecendo com Temer. Miro desejou "pronto restabelecimento" ao presidente.

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse ter recebido a confirmação do Palácio do Planalto da internação de Temer e que a orientação era de seguir com a sessão da votação da denúncia.

A ordem dos aliados do governo é continuar a sessão de votação da denúncia.

Em nota, o Palácio do Planalto informou que um médico de plantão constatou obstrução urológica em Temer e recomendou que o presidente fosse avaliado no Hospital do Exército, para onde Temer se dirigiu para realização de exame e tratamento.

Um dos vice-líderes do governo, Darcísio Perondi (PMDB-RS), disse que em breve Temer estará de volta ao Palácio do Planalto para reassumir suas funções. Ele disse que a situação não tem qualquer "gravidade", em resposta a dúvida levantada por Miro Teixeira.

Outro vice-líder do governo, Beto Mansur (PRB-SP), disse ter falado duas vezes ao telefone com Temer, a última delas cerca de meia hora antes das primeiras notícias de que ele teria passado mal.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos