Trabalho é retomado normalmente na Catalunha após intervenção da Espanha

Por Julien Toyer e Marco Trujillo

BARCELONA/MADRI (Reuters) - O trabalho foi retomado normalmente na Catalunha e a calma reinava nas ruas, nesta segunda-feira, apesar dos clamores de políticos separatistas pedindo desobediência civil, em um sinal inicial de que o controle direto imposto por Madri para impedir a independência da região está vingando.

Embora alguns funcionários do setor público ainda não tenham informado aos seus novos chefes se aceitarão ordens, a ausência de tumultos foi um alívio para os mercados financeiros, que operavam em alta.

A Catalunha, uma região próspera com língua e cultura próprias, desencadeou a pior crise do país em décadas ao realizar um referendo de independência no dia 1º de outubro que os tribunais espanhóis consideraram ilegal.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, assumiu o controle direto da região na sexta-feira, destituiu o governo secessionista e convocou uma eleição para 21 de dezembro.

O partido catalão pró-independência Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) disse nesta segunda-feira que participará da eleição antecipada, em uma admissão tácita de que o partido governista da Catalunha foi destituído e que o Parlamento foi dissolvido.

"Participar no dia 21 de dezembro é uma oportunidade para consolidar melhor a República... Eles convocaram eleições ilegítimas, uma armadilha. Entretanto, nós não temos medo das urnas", disse o parlamentar Sergi Sabria, durante conferência.

Mas, alguns dos membros mais proeminentes do governo catalão, inclusive seu presidente, Carles Puigdemont, e seu vice-presidente, Oriol Junqueras, disseram que não aceitarão a medida e que só o povo da Catalunha pode demiti-los.

O procurador-geral da Espanha, Jose Manuel Maza, pediu nesta segunda-feira que sejam apresentadas acusações de insubordinação e rebelião contra os líderes da Catalunha devido à tentativa de separar a região do restante do país. Maza também pediu que os líderes sejam acusados de mau uso de recursos públicos.

De acordo com o sistema judicial da Espanha, o pedido será considerado por um juiz. O procurador-geral pediu que o juiz convoque os líderes separatistas a prestar depoimento.

Os principais grupos civis por trás da campanha pró-independência pediram uma desobediência civil generalizada e disseram que funcionários do setor público como professores, bombeiros e policiais deveriam recusar ordens das autoridades centrais.

Mas a maioria dos servidores iniciou seu dia de trabalho às 9h (horário local) como sempre, e não havia sinais de absenteísmo generalizado.

A maioria dos líderes catalães demitidos continuava com uma postura ambígua nesta segunda-feira e não chegou a desafiar diretamente a autoridade da Espanha. Não houve sinais de qualquer manifestação espontânea acontecendo.

Puigdemont publicou uma foto tirada na sede do governo regional no Instagram, mas não foi visto entrando no edifício, o que sugere que a foto pode ter sido tirada por outra pessoa.

O diretor regional dos transportes, Josep Rull, postou no Twitter uma foto de si mesmo trabalhando no escritório, mas mais tarde foi visto deixando o prédio.

(Reportagem adicional de Sonya Dowsett)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos