Sorteio da Copa do Mundo vai distrair russos de escândalos de doping e corrupção

Por Gabrielle Tetrault-Farber

MOSCOU (Reuters) - A Rússia vai sediar o sorteio da Copa do Mundo de 2018 na sexta-feira, e a cerimônia representará uma distração bem-vinda do cardápio invariável de notícias sobre doping e corrupção que maculou a reputação esportiva da nação nos últimos anos.

A cerimônia de sorteio dará à Rússia a chance de exibir as cidades e estádios que receberão as 32 seleções em junho e julho do ano que vem, e os principais apresentadores serão Gary Lineker, vencedor da Chuteira de Ouro de 1986, e Maria Komandnaya, jornalista esportiva do país-sede.

No novo formato simplificado, os nomes dos times serão colocados em potes numerados de um a quatro, dos mais altos aos mais baixos do ranking da Fifa –com exceção da Rússia, a seleção mais mal colocada do torneio, que será incluída automaticamente no pote com as principais equipes.

Cada pote será dividido em oito grupos, de A a H, com quatro times cada. Duas seleções não-europeias da mesma confederação não podem estar no mesmo grupo para evitar conflitos geográficos.

Com 14 times europeus classificados, não pode haver mais de dois deles no mesmo grupo.

Se é verdade que a cerimônia de sorteio –que terá a presença do presidente russo, Vladimir Putin, segundo o Kremlin– se concentrará nos aspectos positivos do Mundial, ela também servirá como lembrete dos problemas em potencial, sobretudo os temores de comportamento racista e discriminatório e de violência de torcidas.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, alertou nesta semana que os árbitros terão poder para interromper e até abandonar partidas da Copa do Mundo se tais incidentes ocorrerem.

As autoridades disseram que os preparativos do evento estão em dia no geral, embora tenha havido atraso em algumas obras, inclusive no novo estádio de Samara, mas prometeram que estará pronto a tempo.

A Fifa disse que cerca de 750 mil ingressos foram disponibilizados para a primeira fase das vendas e que a segunda fase terá início na semana que vem.

A maioria deles foi adquirida por torcedores russos, e os norte-americanos vieram em segundo lugar, embora sua própria seleção não tenha se classificado para a competição. Brasil, Alemanha, China e México também estão entre os países que mais compraram entradas, segundo a Fifa.

Todos os portadores de ingressos precisam obter uma identidade de torcedor personalizada, o que permitirá às autoridades vistoriá-los e manter hooligans longe dos jogos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos