Topo

Pela primeira vez recruta abertamente transgênero se junta ao Exército dos EUA

2018-02-26T21:01:42

26/02/2018 21h01

WASHINGTON (Reuters) - Um recruta transgênero assinou um contrato para se juntar ao Exército dos Estados Unidos pela primeira vez desde que um tribunal federal decidiu no final do ano passado que o Exército teria que aceitar pessoas abertamente transgênero, informou o Pentágono nesta segunda-feira.

Autoridades militares não sabem quantas pessoas transgênero começaram a se alistar desde 1º de janeiro, quando o Departamento de Defesa começou a aceitar recrutas abertamente transgênero, mas esta é a primeira vez que uma assinou oficialmente um contrato para se juntar ao Exército.

“O Pentágono confirma que a partir de 23 de fevereiro de 2018 há um indivíduo transgênero sob contrato para serviço no Exército dos Estados Unidos”, disse o major David Eastburn, porta-voz do Pentágono. A pessoa assinou um contrato, mas ainda não iniciou treinamentos básicos.

Em uma ação voltada para seus apoiadores conservadores linhas-duras, o presidente Donald Trump anunciou em julho que iria proibir pessoas transgênero de servirem no Exército, revertendo a política do ex-presidente Barack Obama de aceita-las. Trump disse no Twitter na época que o Exército “não pode ser sobrecarregado com os tremendos custos médicos e interrupção que transgênero no Exército iriam implicar”.

Diversos juízes federais – em Baltimore, Washington, Seattle e Riverside, na Califórnia – emitiram decisões bloqueando a proibição de Trump. Os juízes disseram que a proibição possivelmente violaria o direito sob a Constituição dos EUA para proteção igual sob a lei.

No final do ano passado, pessoas transgênero tiveram permissão pela primeira vez a se alistar no Exército dos EUA, após o governo Trump decidir não recorrer as decisões.

(Reportagem de Idrees Ali)