Exército israelense mata três militantes de Gaza após frustrar bomba na fronteira

Em Gaza

  • Said Khatib/AFP

    Mulher chora a morte de um palestino de 28 anos que morreu durante um bombardeio a um posto de observação, na faixa de Gaza

    Mulher chora a morte de um palestino de 28 anos que morreu durante um bombardeio a um posto de observação, na faixa de Gaza

Um bombardeio israelense matou três membros do grupo militante palestino Jihad Islâmica na Faixa de Gaza no domingo, disseram autoridades médicas, após semanas de protestos na fronteira, que têm gerado uma resposta letal das forças militares.

Os militares de Israel confirmaram o ataque, dizendo que o alvo era um posto de observação, em resposta a uma bomba que foi colocada ao lado da cerca da fronteira durante a noite. Vídeo divulgado pelo Twitter do Exército mostrou a bomba sendo detonada com segurança.

A Jihad Islâmica opera com certa independência do Hamas, o grupo islâmico que controla Gaza desde 2007 e travou três guerras contra Israel.

As hostilidades na fronteira aumentaram desde que os palestinos iniciaram manifestações em massa em 30 de março, que Israel considera serem cobertura para tentativas de romper a cerca da fronteira.

Pelo menos 115 palestinos foram mortos e milhares feridos pelos tiros disparados pelas forças israelentes contra os manifestantes, provocando censura estrangeira.

Os organizadores disseram que vão intensificar as manifestações na terça-feira com uma flotilha de barcos partindo de Gaza em uma tentativa de romper o bloqueio marítimo de Israel ao enclave.

"Gaza tornou-se uma prisão grande e isolada, privada de direitos mínimos, por causa do cerco injustificado de Israel", disseram eles em um comunicado, referindo-se às repressões de Israel e do vizinho Egito.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos