PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
2 meses

Anvisa alerta sobre risco baixo de inflamação cardíaca de vacina da Pfizer; mantém recomendação de uso

Segundo a Anvisa, até o momento não há relato de casos dessas complicações pós-vacinação no Brasil, onde o imunizante da Pfizer é responsável por 9,2% de todas as vacinas aplicadas - Roberto Casimiro/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Segundo a Anvisa, até o momento não há relato de casos dessas complicações pós-vacinação no Brasil, onde o imunizante da Pfizer é responsável por 9,2% de todas as vacinas aplicadas Imagem: Roberto Casimiro/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Pedro Fonseca

09/07/2021 19h55

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alertou nesta sexta-feira para o risco de inflamação cardíaca após a vacinação contra covid-19 com o imunizante da Pfizer depois do registro de casos nos Estados Unidos, mas ressaltou que mantém a recomendação de continuidade da imunização com a vacina, uma vez que, até o momento, os benefícios superam os riscos.

Segundo a Anvisa, até o momento não há relato de casos dessas complicações pós-vacinação no Brasil, onde o imunizante da Pfizer é responsável por 9,2% de todas as vacinas aplicadas, com 9,6 milhões de doses.

"A agência esclarece que o risco de ocorrência desses eventos adversos é baixo, mas recomenda aos profissionais de saúde que fiquem atentos e perguntem às pessoas que apresentarem sintomas se elas foram vacinadas, especialmente com a vacina da Pfizer", disse a Anvisa em comunicado.

A Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) informou na quarta-feira que vai adicionar um alerta sobre casos raros de inflamação cardíaca em adolescentes e adultos jovens às fichas técnicas das vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna contra a covid-19.

Grupos de aconselhamento do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Estados Unidos (CDC), reunidos para discutir relatos de casos sobre problemas no coração após a vacinação, apontaram que casos raros de miocardite em adolescentes e jovens adultos provavelmente estão ligados a inoculações com as duas vacinas, que usam a tecnologia de RNA mensageiro.