PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Boris Johnson se agarra ao cargo apesar de exigências de renúncia

06/07/2022 15h54

Por Elizabeth Piper e Kate Holton e Alistair Smout

LONDRES (Reuters) - Ministros do Gabinete reuniram-se na residência oficial de Boris Johnson nesta quarta-feira para dizer ao primeiro-ministro britânico para deixar o cargo, depois que ele insistiu que não iria renunciar diante de uma rebelião crescente dentro de seu partido.

Com a saída de mais de 30 integrantes do governo e muitos parlamentares de seu Partido Conservador em rebelião aberta, alguns ministros seniores estavam em Downing Street para dizer ao primeiro-ministro que ele precisava renunciar, disse uma fonte. Pelo menos um estava lá para apoiá-lo se ele decidisse continuar lutando, disse outra fonte.

Apesar de ainda não ter ferimentos fatais irremediáveis, Johnson diz que tem um mandato, conquistado nas eleições de 2019, para terminar.

"Eu não vou sair, e a última coisa que esse país precisa, francamente, é de uma eleição", disse o primeiro-ministro a um comitê parlamentar.

A resposta foi brutal. Em uma sessão de perguntas parlamentares, alguns membros de seu Partido Conservador se seguraram para não rir enquanto outros tiravam sarro do primeiro-ministro. Depois, ele foi massacrado pelo chamado comitê de conexões, onde políticos importantes o questionaram sobre seu comportamento no passado, suas motivações e alguns dos escândalos que acabaram definindo grande parte de sua passagem pelo governo.

Talvez Johnson obtenha algum alívio do chamado Comitê 1922, que estabelece as regras para as votações de confiança na liderança do partido. O órgão decidiu promover uma eleição ao seu executivo antes de alterar as regras para iniciar um voto de confiança em Johnson.

Um porta-voz disse que Johnson está seguro de que pode vencer a moção de confiança.

Johnson está firme em seu desejo de continuar no poder.

Ao chegar no Parlamento, ele respondeu perguntas sobre se renunciaria com as palavras: "Não, não, não". Johnson disse ao comitê de conexões que continuará cumprindo seu programa, com o qual foi eleito em 2019, sugerindo de maneira sarcástica que está tendo uma semana "fantástica".

"Francamente, o dever de um primeiro-ministro em circunstâncias difíceis, quando você recebeu atribuições colossais, é continuar indo adiante", disse Johnson ao Parlamento. "E é isso que vou fazer."

Johnson tentou reafirmar sua autoridade ao apontar rapidamente Nadhim Zahawi, uma estrela ascendente no Partido Conservador, amplamente creditado pelo sucesso do programa de vacinação contra a Covid-19, para o cargo de ministro das Finanças.

Com Johnson prometendo se agarrar ao cargo e sem uma maneira imediata de forçá-lo a renunciar, uma parlamentar conservador comparou essa postura às tentativas do ex-presidente Donald Trump de anular o resultado das eleições de 2020 nos EUA.

"Podemos acabar em um impasse trumpiano", disse o parlamentar. "Isso pode acabar causando um enorme constrangimento e danos ao partido."

(Reportagem de Elizabeth Piper)