Mundo atingirá 1,4ºC de aquecimento em 2023, recorde de calor

Por Gloria Dickie

DUBAI (Reuters) - Faltando um mês para o fim do ano, 2023 atingirá um aquecimento global de cerca de 1,4 grau Celsius acima dos níveis pré-industriais, somando-se a "uma cacofonia ensurdecedora" de recordes climáticos quebrados, informou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) nesta quinta-feira.

O relatório provisório da OMM sobre o Estado do Clima Global confirma que 2023 será o ano mais quente já registrado por uma grande margem, substituindo o recordista anterior, 2016, quando o mundo estava cerca de 1,2ºC mais quente do que a média pré-industrial.

Isso aumenta a urgência que os líderes mundiais enfrentam enquanto lutam para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis na cúpula anual da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o clima, a COP28, que começa nesta quinta-feira em Dubai.

"Os níveis de gases de efeito estufa estão em patamares recordes. As temperaturas globais estão em níveis recordes. O aumento do nível do mar é recorde. O gelo marinho da Antártida é recorde de baixa", disse o secretário-geral da OMM, Peterri Taalas.

A conclusão do relatório, no entanto, não significa que o mundo está prestes a ultrapassar o limite de aquecimento de longo prazo de 1,5ºC que, segundo os cientistas, é o teto para evitar uma mudança climática catastrófica nos termos do Acordo de Paris de 2015.

Para isso, o nível de aquecimento precisaria ser mantido por mais tempo.

Um ano de 1,4ºC já proporcionou uma prévia assustadora do que pode significar ultrapassar permanentemente 1,5ºC.

Neste ano, o gelo marinho da Antártica atingiu sua menor extensão máxima de inverno já registrada, cerca de 1 milhão de quilômetros quadrados a menos do que o recorde anterior. As geleiras suíças perderam cerca de 10% de seu volume remanescente nos últimos dois anos, segundo o relatório. E os incêndios florestais queimaram uma área recorde no Canadá, totalizando cerca de 5% das florestas do país.

Continua após a publicidade

A mudança climática, impulsionada pela queima de combustíveis fósseis, combinada com o surgimento do padrão climático natural do El Niño no Pacífico Oriental, levou o mundo a um território de recordes neste ano.

O próximo ano pode ser pior, disseram os cientistas, pois os impactos do El Nino provavelmente atingirão o pico e levarão a temperaturas mais altas em 2024.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora