EXCLUSIVO-China atrai centenas de políticos de Taiwan com viagens baratas antes de eleições

Por Yimou Lee

TAIPÉ (Reuters) - Pequim patrocinou viagens baratas à China para centenas de políticos de Taiwan antes das eleições na ilha no próximo mês, de acordo com fontes e documentos, provocando as autoridades com uma ampla campanha que foi chamada de "interferência eleitoral".

A presidente Tsai Ing-wen e outras autoridades de Taiwan têm alertado que a China poderia tentar influenciar os eleitores a favor de candidatos que buscam laços mais estreitos com Pequim nas eleições, o que poderia definir as relações da ilha com a China. Mas a escala da atividade chinesa não foi relatada anteriormente.

Pequim, que reivindica Taiwan como seu território e tem aumentado a pressão militar e política para forçar a ilha a aceitar sua soberania, apresenta as eleições presidenciais e legislativas de 13 de janeiro como uma escolha entre "paz e guerra", chamando o partido governista de separatista perigoso e pedindo aos taiuaneses que façam a "escolha certa".

A lei taiuanesa proíbe que as campanhas eleitorais recebam dinheiro de "forças hostis externas", incluindo a China, e os promotores no sul de Taiwan disseram nesta semana que estavam investigando 22 pessoas, incluindo políticos, por possíveis violações das leis eleitorais e de segurança.

As agências de segurança de Taiwan estão investigando mais de 400 visitas à China no último mês, a maioria comandada por líderes locais, disse um oficial de segurança de Taiwan, que está investigando as atividades da China, à Reuters.

As agências acreditam que as viagens, com descontos em acomodações, transporte e refeições, foram subsidiadas por unidades do Escritório para Assuntos de Taiwan da China, disse a fonte, que pediu anonimato devido à sensibilidade do assunto.

O escritório chinês não respondeu a um pedido de comentário e já havia dito anteriormente que respeita os "sistemas sociais" de Taiwan ao comentar sobre as eleições.

Solicitado a comentar, o Conselho de Assuntos Continentais de Taiwan, o principal órgão de política para a China, encaminhou à Reuters os comentários desta semana de seu ministro, Chiu Tai-san. Ele disse que era "evidente" que Pequim estava tentando influenciar as eleições de Taiwan por meios que incluíam viagens gratuitas para políticos.

Continua após a publicidade

"Eles já deixaram claro que é preciso fazer a chamada 'escolha certa', ou seja, escolher os candidatos que o Partido Comunista Chinês prefere", disse ele aos repórteres, sem entrar em detalhes.

As pessoas que fazem essas viagens geralmente pagam suas próprias passagens aéreas, mas outras despesas são oferecidas para serem pagas pelas autoridades chinesas, disseram as autoridades que estão investigando o assunto.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes