Guerra recomeça em Gaza após colapso da trégua

Por Nidal al-Mughrabi e Suhaib Salem

GAZA (Reuters) - Aviões de guerra israelenses voltaram a bombardear Gaza, os civis palestinos fugiram em busca de abrigo e as sirenes de foguetes soaram no sul de Israel nesta sexta-feira, quando a guerra recomeçou depois que uma trégua de uma semana acabou sem nenhum acordo para prorrogá-la.

Quando o prazo expirou, jornalistas da Reuters em Khan Younis, no sul de Gaza, viram áreas do leste sob intenso bombardeio, enviando colunas de fumaça para o céu. Os moradores saíram às ruas em busca de abrigo mais a oeste.

No norte do enclave, a principal zona de guerra durante semanas, enormes nuvens de fumaça subiram acima das ruínas, vistas do outro lado da cerca em Israel.

Apenas duas horas após o término da trégua, autoridades de saúde de Gaza informaram que 35 pessoas já haviam sido mortas e dezenas ficaram feridas em ataques aéreos que atingiram pelo menos oito casas.

Médicos e testemunhas disseram que os bombardeios foram mais intensos em Khan Younis e Rafah, no sul da Faixa de Gaza, e também atingiram casas nas áreas central e norte.

"Anas, meu filho, eu não tenho ninguém além de você, meu filho!", lamentou a mãe de Anas Anwar al-Masri, um menino deitado em uma maca com um ferimento na cabeça no corredor do hospital Nasser em Khan Younis. "Ele é meu único filho!"

Os militares israelenses anunciaram que haviam "retomado as operações de combate" e que seus aviões de guerra estavam atacando o enclave, acusando o Hamas de violar a trégua ao disparar foguetes e não libertar todas as mulheres que mantinha como reféns.

"Com a retomada dos combates, enfatizamos: O governo israelense está empenhado em atingir os objetivos da guerra - libertar nossos reféns, eliminar o Hamas e garantir que Gaza nunca mais represente uma ameaça para os residentes de Israel", disse o gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Continua após a publicidade

O Hamas afirmou que Israel era responsável pelo fim da trégua, por ter rejeitado os termos para libertar mais reféns e estendê-la.

"O que Israel não conseguiu durante os cinquenta dias anteriores à trégua, não conseguirá ao continuar sua agressão após a trégua", disse Ezzat El Rashq, membro do gabinete político do Hamas, no site do grupo.

NEGOCIAÇÕES CONTINUAM

A pausa de sete dias, que começou em 24 de novembro e foi prorrogada duas vezes, permitiu a troca de reféns mantidos em Gaza por prisioneiros palestinos e facilitou a entrada de ajuda humanitária na faixa costeira destruída.

Oitenta mulheres e crianças israelenses reféns foram libertadas em troca de 240 palestinos detidos em prisões israelenses, todos mulheres e adolescentes. Outros 25 reféns estrangeiros, principalmente trabalhadores rurais tailandeses, também foram libertados em acordos paralelos.

Mas, na última hora, os mediadores não conseguiram estender a trégua, buscando uma fórmula para que as libertações de reféns continuassem, possivelmente incluindo homens israelenses, agora que menos mulheres e crianças permaneciam em cativeiro.

Continua após a publicidade

O Catar, que desempenhou um papel central nos esforços de mediação, disse que as negociações ainda estavam em andamento com israelenses e palestinos para restaurar a trégua, mas que o novo bombardeio de Israel em Gaza havia complicado seus esforços.

Israel jurou aniquilar o Hamas em resposta ao ataque de 7 de outubro do grupo militante, quando, segundo Israel, homens armados mataram 1.200 pessoas e fizeram 240 reféns. O Hamas, que jurou a destruição de Israel, governa Gaza desde 2007.

O bombardeio e a invasão terrestre de Israel destruíram grande parte do território. Autoridades de saúde palestinas consideradas confiáveis pelas Nações Unidas afirmam que mais de 15.000 habitantes de Gaza foram confirmados como mortos e milhares de outros estão desaparecidos e teme-se que estejam enterrados sob os escombros.

As Nações Unidas afirmam que cerca de 80% dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza foram expulsos de suas casas, sem ter como escapar do território estreito, muitos dormindo em abrigos improvisados.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes