Chefe climático da ONU pede que países mirem alto em acordo final da COP28

Por William James e Kate Abnett e Gloria Dickie

DUBAI (Reuters) - Os países que participam das discussões climáticas da COP28 precisam parar de apenas posar, têm de mirar alto e chegar a um acordo sobre uma maneira de acabar com a "era dos combustíveis fósseis como a conhecemos", disse o chefe climático da Organização das Nações Unidas (ONU), Simon Stiell, nesta quarta-feira, enquanto a tensão sobre o futuro do carvão, do petróleo e do gás aumenta.

Stiell falou no momento em que a conferência de duas semanas se aproxima da metade, enquanto a enxurrada inicial de anúncios e promessas tem diminuído e a atenção se volta para as negociações nos bastidores.

"Todos os governos devem dar ordens claras aos seus negociadores. Precisamos da mais alta ambição, e não de políticas para marcar pontos ou do menor denominador comum", disse Stiell em uma coletiva de imprensa.

Ressaltando a urgência da crise climática, os cientistas da União Europeia disseram que o mês de novembro encerrou o outono (no Hemisfério Norte) mais quente já registrado no mundo.

Espera-se que os negociadores de quase 200 países presentes na cúpula em Dubai entreguem seu trabalho aos ministros de seus países para a próxima fase da negociação de um consenso global sobre como deve ser o acordo final da COP28.

"Temos um texto inicial sobre a mesa... mas é um apanhado de desejos e muita pose. A chave agora é separar o joio do trigo", disse Stiell.

Com o mundo bastante atrasado no cumprimento de suas metas climáticas, Stiell pediu às delegações que façam progressos importantes.

"Há muitas opções sobre a mesa neste momento que falam sobre a eliminação gradual dos combustíveis fósseis. Cabe às partes desfazerem isso, mas apresentarem uma declaração muito clara que sinalize o declínio terminal da era dos combustíveis fósseis como a conhecemos."

Continua após a publicidade

Na terça-feira, uma versão preliminar do texto apresentou três opções sobre os combustíveis fósseis, que vão desde não dizer nada até pedir a eliminação total de seu uso.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes