Ataque israelense que matou jornalista da Reuters deve ser investigado como crime de guerra, diz Anistia

BEIRUTE (Reuters) - A Anistia Internacional disse nesta quinta-feira que os ataques israelenses que mataram o jornalista da Reuters Issam Abdallah e feriram outras seis pessoas no sul do Líbano em 13 de outubro foram provavelmente um ataque direto a civis que deve ser investigado como crime de guerra.

A Human Rights Watch, em uma declaração separada, afirmou que os dois ataques israelenses foram "um ataque aparentemente deliberado contra civis e, portanto, um crime de guerra".

Uma investigação da Reuters publicada nesta quinta-feira mostrou que a tripulação de um tanque israelense matou Abdallah e feriu outros seis repórteres ao disparar dois projéteis em rápida sucessão de Israel enquanto os jornalistas filmavam à distância os bombardeios transfronteiriços.