Pouca comida, isolamento e estresse: as condições em que os reféns israelenses são mantidos em Gaza

Dos cerca de 80 reféns israelenses e estrangeiros libertados desde o início da trégua entre Israel e o Hamas, poucos ainda falaram publicamente sobre suas condições de cativeiro. Entretanto, alguns detalhes estão começando a surgir, por meio de testemunhos relatados por parentes ou cuidadores, apesar da discrição exigida pelas autoridades israelenses.

No total, 86 reféns foram libertados desde o início do confronto entre Israel e o Hamas. A maioria dos testemunhos vem de parentes dos sequestrados em 7 de outubro no kibutz ao longo da fronteira com Gaza.

Comida insuficiente

Refeições irregulares, pitas, húmus, muito arroz e comida enlatada, além de água poluída: essa é a dieta à qual os reféns mantidos pelo Hamas foram submetidos; como, aparentemente, o resto da população de Gaza, descreve o correspondente da RFI em Jerusalém, Michel Paul.

De acordo com a Dra. Ronit Zaidenstein, do hospital Shamir, os 17 reféns tailandeses que foram examinados no hospital quando foram libertados receberam apenas uma "dieta muito pouco nutritiva" durante sua detenção. "As pessoas que admitimos perderam uma proporção significativa de seu peso em um espaço de tempo muito curto - 10% ou mais", disse ele à agência AFP.

Ruth Munder, uma das poucas reféns a falar sobre suas experiências na detenção, disse ao Channel 13 de Israel que não foi torturada ou maltratada, mas que as condições de detenção se deterioraram à medida que o cerco a Gaza se prolongava.

Com 78 anos de idade e libertada na companhia da filha e do neto, ela disse que no início eles recebiam "frango congelado em latas e até doces para as crianças. "Mas depois ficamos com fome", relata. "Os guardas costumavam ameaçar cortar nossas gargantas", continua ela. 

Detenção em túneis, isolamento, camas improvisadas

Os relatos diferem de acordo com os grupos de reféns, alguns dos quais foram mantidos em túneis, outros em apartamentos simples. De acordo com testemunhos de parentes em vários meios de comunicação internacionais, a maioria foi mantida em túneis, muitas vezes no escuro, em condições sanitárias bastante difíceis.

Margarita Mashavi, médica do Wolfson Hospital - por onde muitos reféns passaram ao serem libertados - disse ao site de notícias Ynet na segunda-feira que os reféns libertados com os quais ela conversou lhe disseram que haviam sido mantidos em porões.

Continua após a publicidade

"Eles recebiam apenas duas horas de luz por dia", acrescentou ela na entrevista, que desde então foi removida do site. "Mesmo quando pediam uma caneta ou lápis para escrever e passar o tempo, os homens do Hamas se recusavam por medo de que eles passassem informações. Eles não tinham televisão, nem material de leitura, então passavam o tempo conversando entre si", disse Mashavi à Ynet.

Ruth Munder e sua filha Keren Munder, que também foram detidas e posteriormente libertadas, disseram à Associated Press que a maioria dos reféns dormia "em cadeiras de plástico alinhadas como em uma sala de espera", enquanto alguns homens se deitavam no chão.

"Quando precisavam ir ao banheiro, tinham que bater na porta, às vezes tendo que esperar uma hora e meia", disse o primo de Keren Munder ao Times of Israel. No restante do tempo, eles ficavam trancados em um quarto com cortinas fechadas, onde eram proibidos de abrir a porta. "Era sufocante", descreve Munder.

"Os civis o espancaram quando chegou a Gaza"

Esther Yahamoli, a avó de Eitan Yahamoli, o menino franco-israelense de 12 anos libertado na segunda-feira, disse ao site de notícias Walla que seu neto foi mantido em confinamento solitário por 16 dias. "Os dias em que ele ficou sozinho foram horríveis", disse ela. "Agora, Eitan parece muito retraído".

Por sua vez, sua tia, Deborah Cohen, também falou ao canal francês BFMTV na terça-feira sobre os "horrores" vividos por seu sobrinho. "O Hamas o obrigou a assistir ao filme que ninguém quer ver, sobre as atrocidades cometidas durante o ataque de 7 de outubro. Toda vez que uma criança chorava lá, eles a ameaçavam com uma arma para mantê-la quieta. Quando ele chegou a Gaza, os civis o agrediram. Eu queria ter esperança de que ele seria bem tratado, mas aparentemente não, eles são monstros", lamentou. "Ontem, estávamos muito felizes com sua libertação. Mas agora que sei disso, estou preocupada. Seu pai ainda está lá", completou.

Continua após a publicidade

"Como alguém pode se sentir bem depois de uma experiência como essa? Ele tem um longo caminho a percorrer", acrescentou ela. "Ele é uma criança quieta. Vai levar algum tempo para que ele consiga expressar suas emoções. Neste momento, quero que ele sinta que estamos ao seu lado", disse.

De acordo com declarações da ministra das Relações Exteriores da França, Catherine Colonna, na radio francesa RTL na terça-feira, as três crianças franco-israelenses libertadas pelo Hamas na segunda-feira, 27 de novembro, Erez e Sahar Kalderon, de 12 e 16 anos, e Eitan Yahalomi, de 12 anos, estão bem, apesar da "terrível detenção" e do "choque psicológico" que sofreram.

(Com agências)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes