Após bombardeio russo a central térmica, Ucrânia é obrigada a reduzir consumo de eletricidade

As autoridades ucranianas pediram nesta quinta-feira (7) a redução do consumo de eletricidade após um ataque a uma central térmica perto do front. O apelo surge num momento em que a ajuda ocidental a Kiev, que lhe permitiu resistir aos bombardeios russos contra seu sistema energético no ano passado, está ameaçada por questões políticas.

Um envelope de € 50 bilhões planejado para consolidar o apoio europeu à Ucrânia está bloqueado pela resistência de alguns Estados-membros, assim como a nova ajuda americana, abrandada no Congresso por parlamentares republicanos.

Entretanto, a Ucrânia teme uma nova campanha de ataques russos a suas centrais elétricas e infraestruturas, como aconteceu no inverno anterior, quando milhões de ucranianos foram privados de aquecimento e electricidade.

Nesta quinta-feira, um ataque russo teve como alvo "uma central térmica na zona da linha da frente", informou o Ministério da Energia ucraniano num comunicado, sem revelar a localização exata.

"O equipamento ficou seriamente danificado", acrescentou, especificando que "duas unidades elétricas" foram desligadas.

"Devido ao encerramento destas unidades térmicas, bem como à diminuição da temperatura exterior (relacionada com as condições meteorológicas e que leva ao aumento do consumo), é reportada uma escassez temporária de energia elétrica na rede", continuou. .

Por isso o ministério pediu aos "consumidores para apoiarem os trabalhadores do setor energético", utilizando a electricidade "de forma sensata e econômica, especialmente durante as horas de pico".

Queda das temperaturas  

No Facebook, o primeiro-ministro ucraniano, Denys Chmygal, esclareceu que esta escassez estava ligada à "queda das temperaturas, às reparações de emergência e ao funcionamento limitado das centrais solares devido ao tempo nublado".

Continua após a publicidade

"O governo e as empresas de energia pedem a todos que reduzam o consumo de eletricidade, especialmente das 9h às 19h", escreveu.

Em particular, ele recomendou que os ucranianos não conectem aparelhos que consomem muita energia ao mesmo tempo, adiem a lavagem na máquina para a noite e reduzam o brilho dos letreiros comerciais.

"Tudo isto poderia nos ajudar a evitar a introdução de cortes de energia", acrescentou.

Em 23 de novembro, a operadora Ukrenergo já tinha reportado uma situação "difícil" na rede elétrica ucraniana, danificada pelos bombardeios russos no ano passado.

Ukrenergo anunciou então que teria de recorrer à "assistência de emergência" de três países vizinhos: Romênia, Eslováquia e Polônia.

Nesta quinta-feira, o primeiro-ministro lembrou que a operadora foi "obrigada" a solicitar estas importações emergenciais de eletricidade da Europa, mas que esses pedidos nem "sempre" tiveram resultados garantidos.

Continua após a publicidade

Até agora, a Rússia não realizou novos bombardeios massivos na rede eléctrica, mas no início de outubro, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que Moscou iria trabalhar neste inverno para "destruir" o sistema elétrico de seu país.

Para enfrentar esta ameaça, Kiev exige novos sistemas de defesa antiaérea aos seus aliados ocidentais.

(Com AFP)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora