Topo

Parece, mas não é! Veja fenômenos naturais e objetos confundidos como OVNIs

Larissa Leiros Baroni

Do UOL, em São Paulo

08/02/2018 04h00

Nem sempre as coisas são o que parecem! Portanto, não é raro confundir um cometa com um rastro de avião, uma nuvem com um OVNI (Objeto Voador Não Identificado) ou até um balão com coisas desse ou de outro mundo.

Para ajudar você a não se enganar mais, especialistas ligados ao Exoss.org --uma organização sem fins lucrativos que estuda meteoros--, com a coordenação do astrônomo Marcelo De Cicco, listaram 10 eventos terrestres ou do espaço que constantemente geram dúvidas. 

  • iStock

    1. Rastro de avião

    O rastro de um avião chamado de contrail (trilha de condensação, na tradução livre) é habitualmente confundido com um meteoro, um cometa ou até mesmo com um OVNI. Mas essa "bola de fogo" --nada rara no céu-- é formada a partir da condensação do vapor de água em altas altitudes causadas pela saída dos gases quentes dos motores. Leia mais

  • iStock

    2. Meteoros brilhantes

    Um fenômeno comum no mundo inteiro, que é cientificamente conhecido como fireball ou bólido. Esse efeito luminoso no céu --mais brilhante que o planeta Vênus--, muitas vezes, é confundido com uma nave espacial. Mas não! É resultado por um meteoroide [fragmentos de matérias sólidas que vagam no espaço] após a sua entrada na atmosfera e seu atrito com o ar.

  • Jeff Williams/Nasa

    3. Estação Espacial Internacional

    Chama atenção por seu brilho e por se mover rapidamente no céu. Vez ou outra pode ser vista a olho nu e, não raro, é confundida com coisas do outro mundo. Essa é a Estação Espacial Internacional, que está a uma altitude de aproximadamente 360km e se move no entorno da Terra a uma velocidade de aproximadamente 27.000 km/h. Tem quase o tamanho de um campo de futebol americano [109 metros de comprimento e 51 metros de largura]. Leia mais

  • Unicamp

    4. Balão meteorológico

    É comum institutos de pesquisa, como o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), usarem balões para conseguir medir direção do vento, umidade, pressão, temperatura, velocidade ou de outras características atmosféricas. Balões esses que têm autonomia de voo e podem alcançar uma altitude média de 1.000 metros. Portanto, não se assuste ao ver algo parecido sobrevoar a sua cidade.

  • @mijlof/Intagram

    5. Nuvens

    Pode parecer bizarro, mas há alguns tipos de nuvens que são confundidas com naves espaciais. Como é o caso das chamadas nuvens lenticulares, que são formadas por esferas assimétricas e se movimentam no fluxo do vento. Um fenômeno formado a partir de fortes correntezas de ventos, comum no topo de montanhas, mas, não necessariamente, são anúncio de chuva. Confusão também causada pelas chamadas nuvens iridescentes [que ocorre quando a luz solar contorna a nuvem] e cúmulo-nimbo [formato de cogumelo]. Leia mais

  • iStock

    6. Lixo espacial

    De origem humana, os lixos espaciais são objetos --tanto peças pequenas como foguetes e satélites-- que se encontram em órbita ao redor da Terra e quando entram em choque com a atmosfera provocam um efeito luminoso, com uma coloração bastante característica [azul, verde azulado e amarela], que pode ser visto em uma larga extensão territorial. Leia mais

  • iStock

    7. Voo de cruzeiro

    Será um pássaro, um avião ou um OVNI? Aviões que circulam a uma altitude superior a 30 mil pés podem gerar dúvidas quando vistos de terra firme. Mas não se preocupe, não representam nenhum risco a você.

  • Reprodução/Nasa

    8. Parentes dos relâmpagos

    Você já ouviu falar dos Sprites? Pois bem! São a classe mais conhecida de eventos luminosos transientes, comuns durante tempestades e que se desenvolvem acima das nuvens na média/alta atmosfera [a uma altitude que varia de 45 km a 90 km]. Aparecem como um conjunto de colunas luminosas vermelhas, que pode ser visto a uma distância de até 1.000 km do local de sua formação. Outro tipo de eventos luminosos transientes é o chamado Blue Jets (jatos azuis), fontes de luz azul que se desenvolvem lentamente a partir do topo das nuvens de trovoadas ativas a uma altitude de até 50 km.

  • Craig Bailey/Florida Today via AP

    9. Lançamento de foguetes e mísseis

    O lançamento de foguetes e mísseis deixa alguns rastros no céu, que podem ser vistos a longas distâncias, causando preocupação aos desavisados.

  • iStock

    10. Drones

    Com a popularização dos drones, tem sido cada vez mais comum ver esses objetos ocuparem espaço no céu. São os mais variados tamanhos e modelos, com câmeras ou sem, com luzes ou sem, alguns até muito semelhantes a pequenas naves espaciais.