Topo

10 explicações da ciência para as coisas mais banais do seu dia a dia

Do UOL, em São Paulo

28/12/2017 04h00

Ainda que imperceptível para muitos, a ciência está presente em todo e qualquer lugar. Em casa, no carro, no trabalho, no lazer e até no nosso corpo. Gostando ou não da matéria, essa é uma realidade. E entender essa prática sistemática, nem que seja um pouquinho, pode facilitar e muito a sua vida. Veja abaixo 10 explicações que prometem ajudar nessa missão. 

  • 1. Como gelar uma latinha de bebida em 2 minutos?

    Não é preciso mágica. Basta recorrer a três ingredientes comuns em qualquer cozinha: água, gelo e sal. A adição do sal diminui a temperatura de fusão do gelo (temperatura em que o gelo derrete), que passa a derreter bem mais rápido e, para isso, usa energia do ambiente (e da latinha também). Perdendo energia, que é o mesmo que calor, a temperatura da lata diminui. Leia mais

  • 2. Qual é o jeito certo de misturar o café?

    Você, provavelmente, misturou errado o açúcar no café a vida inteira. Há maneira mais eficiente para fazer isso, segundo a matemática. Nos tradicionais movimentos circulares, o açúcar se acumula nas beiradas da xícara, onde o líquido se movimenta mais devagar. Portanto, opte pelo movimento desordenado com a colher para que as partículas de açúcar se afastem rapidamente umas das outras e se mesclem com o líquido. Leia mais

  • 3. Como identificar se a gasolina está adulterada?

    Um simples experimento em casa pode responder se o combustível que você abastece o carro é ou não confiável. Basta um medidor de vidro e água, além, é claro, da gasolina comprada no posto a ser testado. No Brasil, conforme resolução, é permitido até 27% de álcool misturado à gasolina que compramos. Como o álcool tem uma afinidade de ligação química maior com a água do que com a gasolina, ao adicionar a água ao combustível, é possível separar o álcool, e a gasolina pura fica em cima da mistura. Aí, é só fazer uma conta simples e calcular a porcentagem para saber se você está ou não sendo enganado. Leia mais

  • 4. Detergente ou sabão: qual o melhor produto para lavar a louça?

    A química é uma excelente aliada de quem encara uma pia cheia de panelas, pratos, copos e talhares sujos e engordurados. A diferença entre o detergente e o sabão se resume basicamente à estrutura molecular. Enquanto o sabão é composto por sebos vegetais, o detergente se constitui a partir de derivados petroquímicos. Os dois são usados para desengordurar a louça porque fazem o meio de campo entre as moléculas de água, polares, e de gordura, apolares e hidrofóbicas (substância que não absorve a água). Se pensarmos no ambiente, o sabão de barra é a melhor opção. Mas ele tem uma limitação: não consegue atuar na presença de cálcio, magnésio e ferro --diferentemente do detergente, que acaba sendo mais eficiente nesses casos. Leia mais

  • 5. Por que uns bolos crescem e outros não?

    Não é preciso ser um "expert" na cozinha para saber que é o fermento o responsável pelo crescimento dos bolos. O difícil é conseguir entender aquele bolo embatumado ou aquele outro que transbordou da forma. A química, no entanto, ajuda você a não errar mais. Um dos principais fenômenos envolvidos no crescimento dos bolos é a produção do gás dióxido de carbono a partir do fermento químico em pó. Mas, para alcançar o desempenho esperado, é importante não adicionar o fermento no início do preparo, ficar atento à data de validade e saber qual a quantidade exata a ser usado, não colocar a mistura do bolo em forno frio, entre outras medidas. Leia mais

  • 6. A partir de qual temperatura podemos morrer de calor?

    Será que a expressão "morrer de calor" faz sentido para a ciência ou é só um exagero de quem não gosta muito dessa época do ano? Especialistas dizem que o nosso corpo pode entrar em colapso no calor. O problema é que a temperatura exata em que isso pode acontecer depende de fatores ambientais, da idade e da saúde de cada indivíduo. Mas testes apontam que os riscos começam quando a temperatura chega aos 42ºC. Leia mais

  • 7. Por que sonhamos - e por que os sonhos se repetem?

    Cientistas em diferentes partes do mundo têm tentado desvendar o imaginário mundo dos sonhos em busca de suas causas e funções. Bill Domhoff, pesquisador da Universidade da Califórnia (EUA), diz que sonhos dramatizam nossas preocupações e, muitas vezes, encenam o pior dos cenários. "Eles não só abraçam nossos desejos, mas nossas preocupações, nossos medos e nossos interesses." Diversos estudos e observações produziram uma série de teorias sobre a função dos sonhos: simulação de ameaça, consolidação da memória e redução do medo. Além disso, há quem acredite que os sonhos sejam premonitórios - boa parte da literatura universal dialoga com essa ideia. Leia mais

  • 8. Como evitar que o seu refrigerante fique sem gás?

    Ao servir, o refrigerante deve ser despejado aos poucos e com o copo inclinado, para evitar a agitação. Gelo, limão e outros ingredientes aumentam a interação com superfícies rugosas, o que também estimula o desprendimento do gás. Ou seja, melhor evitar. A melhor opção é um copo de vidro bem limpo, pois a sujeira também aumenta a perda de gás. Sobrou refrigerante? O jeito é fechar a garrafa o mais rápido possível e colocá-la na geladeira.

  • 9. Por que as picadas de insetos coçam?

    Por que uma minúscula picada de pernilongo ou borrachudo é capaz de provocar tanta coceira? A saliva dos insetos é composta por um coquetel de proteínas --anticoagulante, vasodilatador, antiplaquetário-- que facilita a absorção do sangue, mas acaba provocando uma reação alérgica em seu alvo (que no caso é você ou eu) e, consequentemente, a coceira. O que varia entre um inseto e outro é a quantidade dessas proteínas. Leia mais

  • 10. Como a química e a física podem me ajudar a lavar a roupa direito?

    Da batida da roupa ao amaciante que usamos, todos são processos físicos ou químicos responsáveis pela roupa limpinha e cheirosa no fim do processo. E a ciência pode ajudá-lo (e muito) nessa tarefa cotidiana. A mecânica é responsável por parte importante da extração de sujeira. Não adianta colocar sabão e abandonar a roupa no balde. É preciso esfregar ou bater a roupa para que as partículas se soltem das fibras do tecido. Um truque para melhorar isso? Colocar algumas bolinhas, como as de tênis (já existem algumas feitas exatamente para isso), dentro da máquina durante a lavagem. Também não dá para lavar só com água. Isso porque as moléculas da água são polares e não fazem ligação com a sujeira (em geral, partículas apolares e hidrofóbicas). É o sabão que faz a ponte entre elas. Leia mais

Notícias