O efeito placebo também funciona em animais?

Martha Henriques

  • Getty Images/PeopleImages

    Cientistas dizem que há provas de que o efeito placebo pode ter resultados em bichos de estimação

    Cientistas dizem que há provas de que o efeito placebo pode ter resultados em bichos de estimação

O efeito placebo, ainda um tanto incompreendido, é considerado uma particularidade estranha da medicina. Na teoria, a saúde de uma pessoa não deveria melhorar ao receber uma pílula simples de açúcar no lugar de um medicamento. Mas às vezes isso acontece.

É bem possível imaginar que o efeito placebo deriva de uma forte fé no poder que os médicos têm de nos curar.

Se este é o caso, então o efeito deveria ser limitado à nossa espécie - afinal de contas, animais não confiam sua saúde a veterinários quando estão doentes. E, de fato, muitos cientistas presumem que o efeito placebo não funciona em animais.

No entanto, não são todos os cientistas que pensam assim. Alguns dizem que há provas de que o efeito placebo pode ter resultados nos nossos bichos de estimação.

Não é muito incomum usar placebo em animais. Quando uma nova terapia para eles está sendo explorada, cientistas frequentemente a testam usando procedimentos semelhantes aos usados em processos para humanos.

Eles dão para alguns animais o método de tratamento que está sendo testado e dão placebo para outro grupo de bichos para, assim, poder analisar o potencial da nova terapia.

"Inicialmente buscávamos usar o placebo apenas como uma linha de base", disse a neurologista Karen Muñana, da Faculdade de Medicina Veterinária na Universidade do Estado da Carolina do Norte, nos EUA. Karen estuda epilepsia em cachorros.

"Mas na análise dos dados nós percebemos que os cachorros que receberam o placebo mostraram sinais de melhora na frequência de suas convulsões comparado ao período antes de começarmos o estudo", disse ela. "A frequência das convulsões diminuiu."

Os dados sugeriram que os cachorros que receberam tratamento com placebo estavam melhores do que antes do teste. A condição deles estava melhorando mesmo sem receber remédio. O efeito placebo parecia ter dado resultado neles.

Por que isso acontece? Muñana acredita que diversos fatores podem contribuir nesse sentido.

Mudanças naturais

Um dos fatores mais óbvios - e muitas vezes ignorado - é que doenças passam por mudanças naturais em animais ao longo do tempo.

"A epilepsia é uma doença crescente e minguante com um curso natural", disse Muñana. "O que acontece na epilepsia é que donos de animais só buscam tratamento para seus cachorros quando sua doença, e nesse caso suas convulsões, estão em seu pior ponto."

Isso significa que os cachorros no teste feito por Muñana estavam sofrendo sintomas particularmente intensos quando o teste começou.

Mesmo se eles não tivessem sido colocados no teste, a condição deles poderia ter melhorado naturalmente ao longo de algumas semanas. Se esta for a explicação para os resultados obtidos no teste, então o efeito placebo não ocorreu com os cães.

Mas esta não é a única explicação possível. Apenas o fato de saber que seu animal está participando de um teste de medicamento pode mudar o comportamento do dono, explicou Muñana.

"A percepção do dono é que o cachorro está sendo monitorado e cuidado de uma maneira melhor", disse a neurologista. "Talvez porque os cachorros estão participando de um estudo, os donos são mais propensos a dar os medicamentos que estão sendo usados para tratar a doença subjacente."

Mais uma vez, isso indicaria que o animal não está respondendo ao efeito placebo, e sim seu dono. O dono que monitora o seu bicho de maneira ansiosa durante o tratamento pode estar, de fato, ajudando o animal a se recuperar.

Esse tipo de comportamento é algo que certamente pode afetar a convalescência do animal que não está recebendo a droga no tratamento.

De acordo com Muñana, isso apenas mostra que é complicado determinar um efeito placebo real em animais.

Complicações em estudos

Uma maneira de reduzir esses fatores de complicação seria introduzir um terceiro grupo nos testes de drogas para animais.

Esse grupo não receberia tratamento algum, nem mesmo o placebo. Isso é conhecido como o grupo da "lista de espera".

Se os cachorros que estiverem recebendo o placebo apresentarem um desempenho melhor do que aqueles na lista de espera, então isso pode ser um indicativo real do efeito placebo em animais.

No entanto, este é um tipo de estudo complicado de se executar.

É difícil conseguir participantes para testes e os donos que inscrevem seus animais de estimação em um estudo o fazem precisamente porque querem que seu bicho se sinta melhor.

Eles podem ficar hesitantes em se inscrever num estudo no qual a possibilidade de seu cachorro receber a terapia experimental é menor do que a possibilidade de ele não receber.

"Você quer que os donos se sintam como parte do estudo, e que o cachorro deles pode estar recebendo a droga ativa", explicou Muñana.

Influência do dono

Há outras maneiras em que o comportamento do dono de um animal pode ter um impacto. Por exemplo, se a percepção do dono em relação ao animal for alterada sutilmente, o comportamento do animal também pode mudar.

Ellen Kienzle é uma pesquisadora veterinária especializada em nutrição e dietética na Universidade Ludwig Maximilians de Munique, na Alemanha. Há anos ela tem se interessado na psicologia ligada à alimentação dos animais.

"Ter o conhecimento científico é uma coisa, chegar ao animal já é outra. E sempre tem o dono no meio", disse ela.

Kienzle começou a ouvir várias histórias de certos suplementos alimentares e seus efeitos supostamente maravilhosos em cavalos. Ela decidiu investigar a fundo esses relatos.

"Eu fiquei cansada desses suplementos", disse Kienzle. Ela não conseguia ver uma razão científica sólida para explicar por que, por exemplo, dar um suplemento de selênio para um cavalo - mesmo sem o animal ter deficiência de selênio – ajudaria na sua saúde muscular.

Apesar disso, muitos cavaleiros entrevistados por Kienzle estavam convencidos de que a substância ajudava cavalos com músculos rígidos.

"Era um modelo ideal", disse a pesquisadora. Ela então iniciou um estudo para testar dois suplementos: selênio e vitamina E, junto com um controle de placebo.

"Encontramos respostas enormes ao efeito placebo", afirmou ela. Mas mais uma vez, isso não foi necessariamente porque os animais estavam respondendo diretamente ao placebo.

"Especialmente ao andar à cavalo, há uma tremenda interação entre o cavaleiro e o animal", explicou ela.

Kienzle comparou cavalgar com dançar. Se o seu parceiro de dança de repente avista alguém que ele não gosta, você poderia sentir na hora a mudança de tensão no corpo dele.

De acordo com ela, você seria capaz de saber que algo não está certo - e isso também poderia deixar você desconfortável. "É assim como, segundo o que penso, parte da comunicação entre um cavalo e um cavaleiro funciona."

O cavalo responde a deixas sutis e até mesmo subconscientes do cavaleiro, como um parceiro de dança sensível sentiria.

"Se o seu humor está bom e você pensa 'Ah, hoje ele ou ela vai ter um desempenho muito bom', o cavalo vai cumprir as suas expectativas. E, também, se você espera que o cavalo cometa um erro específico e fica pensando nisso, o seu corpo comunica exatamente isso para o animal."

O poder desse efeito pode ser extraordinariamente forte. Não é apenas relacionado a percepções, mas também a mudanças marcadas no comportamento.

Outro problema ao explorar o efeito placebo em animais é que experimentos assim também podem fazer com que as pessoas envolvidas se sintam enganadas.

Pode haver a percepção de ter sido trapaceado de uma certa maneira, o que pode fazer com que as pessoas fiquem menos propensas a inscrever seus animais de estimação nesses testes.

O poder desse sentimento é tão grande que a cavaleira e a estudante de Kienzle demoraram anos para normalizar a amizade.

Então, tendo em mente todas as maneiras que os resultados de experimentos podem ser alterados inadvertidamente - e a maneira com a qual os testes podem criar hostilidades que desencorajam pessoas a participar deles -, nós podemos ter realmente certeza que o efeito placebo pode ser observado em animais?

"Quando estamos lidando com animais, bichos que pertencem a pessoas e recebem cuidados delas, eu acho que a percepção do dono pode ter uma interferência", disse Muñana. "Mas eu acho que também há potencial para uma base psicológica para o efeito placebo no animal."

Resposta pavloviana

Edzard Ernst, professor-emérito de medicina complementar na Universidade de Exeter, no Reino Unido, concorda. "Uma grande parte do que acreditamos que constitui o efeito placebo foi, de fato, descoberta em animais", disse ele.

Essa pesquisa remonta ao fisiologista russo Ivan Pavlov, que ficou famoso por seu trabalho com cachorros no final do século 19. Pavlov fez experimentos nos quais ele treinou cachorros para esperar comida quando ele tocava um sino.

Os cachorros ficaram tão acostumados, ou "condicionados", a ouvir o som do sino e ver a comida chegando que, eventualmente, apenas o som do sino os fazia salivar.

"Hoje nós acreditamos que isso é uma parte muito importante do efeito placebo", disse Ernst. "Então as pessoas que dizem que animais não experienciam o efeito placebo estão ignorando isso e eu acho que elas estão erradas."

Estudos veterinários investigando o efeito placebo são relativamente escassos e intervalados. No entanto, um influente artigo publicado em 1999 pelo veterinário americano F.D. McMillan registrou respostas intensas ao placebo em animais de laboratório.

Em um estudo de 1982, pesquisadores investigaram camundongos que eram geneticamente predispostos ao lúpus eritematoso sistêmico, uma doença em que o sistema imunológico começa a atacar o tecido saudável. Se não for tratada, a doença pode levar à morte.

Os pesquisadores usaram uma droga que suprimia a atividade excessiva imunológica, e água doce, e davam as duas substâncias juntas para os camundongos.

Eventualmente, quando os animais receberam só a água doce, sem o remédio, eles tiveram a mesma resposta imune, como se tivessem recebido a droga como estavam acostumados.

Ou seja, "placebos funcionam com animais", disse Ernst - até mesmo o tipo psicológico que nós acreditamos poder acontecer apenas com humanos. No geral, o efeito em animais é bastante similar ao dos humanos, segundo ele.

No entanto, de acordo com o especialista, o elemento de expectativa consciente que pode ter influência em respostas ao placebo em humanos é indiscutivelmente mais fraco ou ausente em animais.

"Em princípio eles são o mesmo, mas eu acho que há uma diferença na ênfase. Animais não têm sempre uma expectativa consciente ou raramente têm uma expectativa consciente das coisas que estão acontecendo. Humanos têm isso, por exemplo, quando vão ao médico ou ao dentista."

Na prática, o fato de estudos sugerirem que placebos podem funcionar por meio de condicionamento não significa que nós devemos mudar a maneira com a qual veterinários cuidam de animais.

Danny Chambers, veterinário em Devon, no Reino Unido, já fez campanha contra o uso de tratamentos homeopáticos para animais.

O efeito placebo nos ratos sugere que nós podemos condicionar animais a responderem a um placebo como se fosse um tratamento real. No entanto, colocar essa ideia em prática pode ser eticamente dúbio, segundo Chambers.

"Mesmo que as pesquisas provem que há uma resposta pavloviana ou uma resposta condicionada a um tratamento, seria isso muito mais importante do que dar analgésicos caso o animal precise disso?", questionou Chambers.

"Se você está em uma condição de dor, é realmente justo confiar na possível resposta pavloviana porque o animal costumava ser tratado com um analgésico real, mas agora você está dando a ele um placebo? É provavelmente injusto presumir isso."

Em vez disso, Chambers defende aplicar as mesmas regras da medicina humana ao se tratar animais: se há um tratamento convencional que já teve sua eficácia comprovada, então é esse tratamento que deve ser aplicado.

Embora possa haver um futuro limitado para prescrever placebos na medicina veterinária, assim como Chambers espera, placebos continuarão sendo importantes para pesquisadores que estão tentando descobrir novas curas e tratamentos para doenças em animais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos