PUBLICIDADE
Topo

Leonardo Sakamoto

Apesar de 180 mil mortes, prioridade é salvar Flávio Bolsonaro, não vidas

Enterro de vítima da covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus (AM), em 28 de outubro - Edmar Barros/Futura Press/Estadão Conteúdo
Enterro de vítima da covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus (AM), em 28 de outubro Imagem: Edmar Barros/Futura Press/Estadão Conteúdo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

11/12/2020 20h04

Logo após ficarmos sabendo que a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) produziu relatórios para orientar a defesa de Flávio Bolsonaro a buscar a anulação do caso Fabrício Queiroz, foi divulgado que o governo Jair Bolsonaro cogitou confiscar vacinas produzidas no Instituto Butantan, em São Paulo, e decidir como serão distribuídas. Depois, o Ministério da Saúde desmentiu, mas a barata já estava voando na sala.

Uma bomba sobre um caso de corrupção, que havia sido divulgada por Guilherme Amado, da revista Época, e ocupado a manchete dos principais veículos ao longo do dia, foi trocada pela informação das vacinas trazida a público pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado - que disse que a recebeu do ministro da Saúde, general Eduardo "Logística (sic)" Pazuello.

A proposta de "requisitar" as vacinas importadas por outros Estados ou neles produzidas e distribuí-las de acordo com um planejamento nacional (que, aliás, existe apenas como peça de ficção mal-ajambrada) chegou a ser discutida, mas - segundo o ministério - não será adotada. O timing de sua divulgação, contudo, é mais do que perfeito para a tentativa do governo de distrair a população a respeito da sacanagem envolvendo o filho 01.

Afinal, utilizar o órgão de inteligência do Estado brasileiro para obter informações privilegiadas a fim de livrar a cara do primogênito do presidente, um ex-deputado estadual e hoje senador, denunciado pelo Ministério Público por subtração de dinheiro público, lavagem de dinheiro e organização criminosa, é demais até para esta grande pornochanchada chamada Brasil.

Para desviar a atenção, uma história tão bombástica quanto. Afinal, seria uma verdadeira fábula de La Fontaine: depois de ficar meses não fazendo absolutamente nada contra o coronavírus, como a cigarra, Jair Bolsonaro garantiria um freio na queda de sua popularidade tomando para si o trabalho das formigas.

Claro que o ideal seria termos um calendário nacional de imunização, assim como o SUS (Sistema Único de Saúde) faz com outras doenças, com o Ministério da Saúde orientando datas e prioridades em todos os Estados, por igual. Para isso, o governo federal teria que ter feito a lição de casa, e garantido a aquisição de doses suficientes para começar a imunização dos grupos prioritários em todo o país.

O problema é que temos um terraplanista biológico e patologicamente egoísta sentado na cadeira presidencial, que gastou energia na sobrevivência da sua família e amigos, desviando da responsabilidade pelo combate à pandemia.

E, como o poder não admite vácuo, João Doria viu uma possibilidade de sair como o adulto responsável. Sim, ele foi arrogante com outros governadores e está usando a pandemia de forma eleitoral, mas lutar para colocar uma vacina o quanto antes na praça é melhor do que não fazer nada.

Uma boa história faz com que nos esqueçamos da anterior. Mas aqui as chanchadas não são substituídas, acumulam-se.

Temos um Estado que foi sequestrado por uma família para a proteção dela e de suas necessidades pessoais. Esse Estado, talvez por isso, não quer ou não é capaz de impedir uma tragédia que já conta com 180.437 mortos.

Ordem e Progresso? Corrupção e morte. Necropolítica, pátria amada, Brasil.