PUBLICIDADE
Topo

PT só assina manifesto antigolpista com outros depois de tribunal petista!

Gleisi Hoffmann: mensagem de presidente do PT dá uma ideia do tamanho do erro cometido pelo partido - Julia Rodrigues/UOL
Gleisi Hoffmann: mensagem de presidente do PT dá uma ideia do tamanho do erro cometido pelo partido Imagem: Julia Rodrigues/UOL
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

02/06/2020 19h09

Leio na coluna de Mônica Bergamo uma mensagem que lhe foi enviada por Gleisi Hoffmann, presidente do PT, sobre a crítica que Lula dirigiu ao manifesto "Estamos Juntos". O equívoco só se aprofunda e vai evidenciando quão descolado o partido está da realidade.

O PT não precisa nem deve passar uma borracha sobre fatos que considera negativos. A questão é saber se um manifesto que, basicamente, defende a democracia e repudia o golpe militar — e é disso que se trata — teria de remoer uma pauta que é também do partido.

Leiam o que envia Gleisi. Trata-se, como se vê, de uma pauta partidária. Como é mesmo? Só poderia assinar um manifesto antifascistização da política quem fosse contra o teto de gastos, é isso? Ora, há sólidos argumentos técnicos a sustentar o teto, dado o descalabro a que o governo Dilma conduziu as contas públicas. Esse argumento é contestável? Claro que sim. Justamente porque divide opiniões, não é pauta de um texto que defende o direito à discordância. Leiam o que escreve Gleisi. Volto em seguida.

FHC maquinou com Aécio o golpe contra Dilma. Defendeu, repetiu, deu vida ao argumento das pedaladas fiscais como crime de responsabilidade, mesmo sabendo que não era. Não vacilou em jogar o país na instabilidade. Defendeu, divulgou entusiasticamente a Lava Jato, que tinha por objetivo destruir o PT e suas lideranças, em especial Lula. Foram inúmeras vezes em que FCH disse que Lula não era um preso político, e sim um político preso", escreveu.

"Depois [FHC] apoiou entusiasticamente a ponte para o futuro [programa de governo] de Temer, cujo objetivo era a destruição de um estado de bem-estar social que começava a ser construído. A emenda constitucional 95 [que estabelece um teto para os gastos públicos] é a desestruturação de políticas públicas protetivas como SUS, educação, assistência social, além de impedir o Estado como indutor de desenvolvimento ao impor redução dos investimentos. Ambos [FHC e Temer] atentaram contra os trabalhadores ao proporem e apoiarem a reforma trabalhista, uma das ações legislativas mais perversas contra a classe trabalhadora, cujos efeitos estamos sentindo agora.

FHC nada disse sobre as Fake News contra PT, Lula e Haddad. Sabia quem era Bolsonaro e se calou diante de sua eleição, poque apoiava a pauta econômica neoliberal que vinha com o candidato e não foi discutida na campanha.

FHC e Temer não são vítimas das divulgações das Fake News e das maquinações da perseguição judicial. Muito pelo contrário, articularam e operaram situações para que elas prosperassem. FHC, principalmente, foi condutor ativo do processo que desembocou no que estamos vivendo.

Não vi nem ouvi em nenhum momento FHC reconhecer isso. Pousa de príncipe a ser conquistado, requerido, apoiado na defesa de uma causa nobre, a democracia, que ele ajudou a desidratar.

Resumir tudo isso a mágoa é reduzir Lula, simplificar, mais do que isso, desconhecer, desconsiderar o papel ativo que tiveram Temer e, principalmente, FHC, para as coisas chegarem onde estão.

Não atuaram desavisadamente, não foram levados pela conjuntura, operaram para que ela acontecesse. Isso faz muuuuita diferença

Sem problema assinar um manifesto em conjunto mesmo com tudo isso. Mas onde está o povo e seus direitos na democracia que está sendo defendida ali? Nenhuma palavra.

Se for para limpar currículo dos golpistas conscientes, pelo menos que os direitos do povo, a democracia concreta, seja defendida e desembarquemos todos dessa pauta neoliberal nefasta.

Quem te reduziu à magoa do Lula não tem dimensão política para fazer uma leitura crítica do processo, ou é Poliana ou tem má fé."

RETOMO
Na militância partidária, o PT pode cuidar de cada uma dessas questões. Se são assim tão relevantes, então se espera que o partido não vá fazer alianças com nenhuma das legendas ou lideranças que apoiaram o impeachment. É essa a decisão?

A Lava Jato mandou Michel Temer duas vezes para a cadeia e acabou com a candidatura de Aécio Neves à Presidência. Lula foi, sim, vítima de procedimentos de exceção, mas o deputado tucano e o ex-presidente também o foram. E de maneira ainda mais espalhafatosa. Rodrigo Janot apresentou duas denúncias contra Temer que merecem a classificação de kafkianas.

É um erro típico do "PTcentrismo" acreditar que a Lava Jato foi uma operação contra o PT. Tratou-se, e afirmo isso desde os primeiros dias, de uma ação contra a política. Enquanto o PT não entender a dimensão profunda que isso teve e tem na sociedade, não vai entender nada.

Obviamente, não serei eu a dar lições ao partido. Não tenho essa pretensão.

Mas, como deixa claro Gleisi Hoffmann, o PT, pelo visto, acredita que as pessoas têm de antes passar por um tribunal petista. Se aprovadas, então poderão figurar num manifesto ao lado das estrelas do partido.

Seria indelicado lembrar, a despeito das ilegalidades cometidas pela Lava Jato, o tamanho de algumas falcatruas nas quais o governo petista aparece como protagonista? Gleisi tem certeza de que são os outros a queimar o filme dos petistas se aparecerem todos juntos no mesmo retrato? Não seria o contrário?

Não obstante, ninguém pediu ato de contrição ao petismo para que figurasse todos na mesma fotografia. Lula e Gleisi, no entanto, acreditam que, antes, é preciso haver um tribunal da história. Só então se faz a defesa da democracia e do Estado de direito.

Com a devida vênia, isso nem errado está, senhores!

Se o PT acredita ser esse um bom caminho, boa viagem à irrelevância.

A fila anda.

Reinaldo Azevedo