PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Procuradores da República acordaram para tragédia? Antes tarde do que nunca

Vista aérea do cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus: sempre será uma síntese eloquente da tragédia - Michael Dantas/AFP
Vista aérea do cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus: sempre será uma síntese eloquente da tragédia Imagem: Michael Dantas/AFP
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

05/03/2021 06h44

Os procuradores da República acordaram?

Onde estiveram, como instituição, nestes 12 meses em que a covid-19 devastou o país, levando o luto a mais de 260 mil famílias, corroendo a economia, destruindo as esperanças, fazendo a infelicidade de muitos milhões?

Sim, eu os vi muito atuantes, ainda com a boca torta pelo cachimbo da Lava Jato, a caçar pessoas envolvidas em sacanagens reais ou supostas ligadas a respiradores e outros insumos — e não estou negando que safadezas tenham acontecido —, mas se mostraram, como categoria, absolutamente omissos quanto ao desempenho do governo no combate à pandemia.

Cabe à PGR acompanhar o trabalho de ministros de Estado, mas nada justificava o silêncio da instituição.

Assistimos a manifestações de pessoas públicas pautadas pelo mais estúpido negacionismo e pelo desprezo à ciência. E não se tem nem mesmo uma nota de protesto de um grupo sempre muito buliçoso nas redes sociais.

Leio na Folha:

O MPF (Ministério Público Federal) quer do Ministério da Saúde medidas urgentes para conter a transmissão da Covid-19. Em documento assinado por procuradores da República de 24 estados e do Distrito Federal, o MPF sugere uma série de recomendações à pasta comandada por Eduardo Pazuello, incluindo uma matriz de risco baseada em critérios técnicos que inclua o distanciamento social. O papel foi entregue nesta quinta-feira (4) ao procurador-geral da República, Augusto Aras, para que seja enviado ao ministro. Aras informou que repassará o documento a Pazuello.
(...)
O titular da Saúde não está obrigado a seguir as recomendações do MPF, mas o documento entregue a Aras é uma importante sinalização. Procuradores nas cinco regiões estão atentos à atuação do ministério e pedidos à Justiça não estão descartados. Como justificativa para as recomendações, seus autores citaram "a situação concreta de colapso nos serviços de saúde", além de "esgotamento de vagas de internação e falta de insumos para atender às demandas de tratamento de saúde, observado e amplamente divulgado nos veículos de comunicação de massa"
.

RETOMO
Nesses 12 meses, acompanhamos as muitas ações diligentes do subprocurador-geral do MP junto ao TCU, Lucas Rocha Furtado. Este, sim, tem se mostrado sempre vigilante.

Sei que as atribuições e competências são distintas. Mas já vi tantas vezes os senhores procuradores se mobilizarem até para tentar emplacar projetos de lei e propostas de emenda à Constituição, não é mesmo? A omissão era inexplicável.

Claro, claro! Também nesse caso, antes tarde do que nunca.

É preciso que o Ministério Público Federal esteja atento ao sofrimento das pessoas também quando não há suspeita de corrupção — ou, ao menos, quando ela não é tão evidente.

Ou quando a corrupção é aquela que consegue ser ainda mais nefasta do que a do dinheiro: a corrupção do caráter.

Que não seja fogo de palha.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL