PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Com 250 mil mortos, Bolsonaro e Congresso pisam fundo na necropolítica

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Chefe da Sucursal de Brasília do UOL

25/02/2021 14h42

Passamos das 250 mil mortes causadas pela Covid-19. Mas o presidente da República continua dando mau exemplo. Pior, agora que tem o Centrão ao seu lado, o Congresso também desrespeita as recomendações sanitárias.

Foi uma semana em que Bolsonaro fez duas daquelas suas caminhadas histriônicas do Palácio do Planalto até a sede do Legislativo. Provocou aglomerações em todo o percurso, com a turba, seguranças, aliados e políticos, sem máscaras, se acotovelando.

O objetivo era apenas encenar uma resposta ao mercado, que entrou em parafuso depois que Bolsonaro interveio e derrubou o presidente da Petrobras.

A ideia foi criar um fato midiático, com a casca liberal que o mercado gosta, e que jogasse no colo do Parlamento a responsabilidade pela crise. Porque é esse o resultado. Fora os casos da doença que vierem a ser registrados.

Na primeira caminhada, terça-feira, dia 23, Bolsonaro foi entregar pessoalmente aos presidentes da Câmara e do Senado, a proposta de privatização da Eletrobras.

Começa que não é bem uma privatização, é a venda de ações da empresa a um acionista majoritário, mas com o governo por trás, como garantidor da iniciativa privada.

É uma encenação porque todos sabem que será difícil passar no Congresso, já que boa parte dos parlamentares não gostam da ideia. A começar pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

No dia seguinte, Bolsonaro repetiu a dose. Atravessou a rua a pé até a Câmara, desta vez para entregar ao presidente da Casa, Arthur Lira PP-AL), o projeto de Marco Legal do setor postal, que viabilizaria a privatização dos Correios.

Outro que terá muitas dificuldades e levará muito tempo para ser aprovado. Mas, numa salinha apertada, sem máscaras, foi feita a encenação, com empurra-empurra, vidros blindex quebrados e perdigotos para todos os lados.

Sem contar que nessa semana, prefeitos de todo o Brasil acorreram ao Congresso em busca de liberação de recursos para suas cidades. E já apareceram gabinetes de parlamentares interditados por causa do coronavírus.

E assim vai se confirmando a teoria daquele filósofo camaronês, Achille Mbebe, segundo a qual vivemos agora sob a égide da necropolítica. E o que é isso? O verdadeiro poder soberano é o poder de determinar quem vive e quem morre.

Nossos governantes carregam essa responsabilidade: já passamos das 250 mil mortes no Brasil. E eles continuam pisando fundo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL