Professor diz que país precisa avaliar melhor segurança da exploração de petróleo no mar

Nielmar de Oliveira
Da Agência Brasil
No Rio de Janeiro

A principal lição a ser tirada do acidente que há mais de um mês vem provocando vazamento de óleo na parte americana do golfo do México, a partir da explosão de um poço da British Petroleum (BP), é a de que o Brasil deve avaliar melhor os riscos das principais operações desenvolvidas em águas profundas e ultraprofundas.

A opinião foi manifestada à Agência Brasil pelo diretor de Tecnologia e Inovação da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), professor Segen Estefen.

“Aqui na Bacia de Santos as profundidades serão maiores que as desse poço da BP no golfo do México. Estudos desenvolvidos aqui na Coppe indicam que existe uma relação direta entre a profundidade do poço e a taxa de falha desse equipamento chamado de BOP (Blow Out Preventer) – que fica na cabeça do poço para evitar possíveis acidentes”.

Para o professor, esse estudo - na medida em que confirma a relação profundidade/falha - significa que devem ser revistas as condições de confiabilidade e os procedimentos de operação e manutenção dos equipamentos.

“Isto envolve segurança de embarcações e equipamentos, maior treinamento para o pessoal que executa as operações mais sensíveis e, além disso, mais cuidado com os planos de contingência, para neles integrar as novas tecnologias hoje disponíveis”.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos